Carlo Scarpa, artista italiano de múltiplos talentos: arquiteto, designer, professor e escritor

Tão polêmico quanto talentoso, Carlo Scarpa é considerado um dos mais significativos arquitetos modernos, apesar de pouco reconhecido e lembrado, principalmente fora da Itália.

E isso talvez se deva à sua maneira sincera e direta de criticar as obras de outros arquitetos modernistas, como nesta frase:

A arquitetura moderna, abstratamente estereométrica, destrói qualquer sensibilidade à composição e à decomposição … Criamos nada em torno das coisas

Nesta postagem, vamos trazer mais detalhes da vida e da obra do artista Carlo Scarpa, um dos grandes arquitetos Italianos.

E se você quiser conhecer mais um renomado arquiteto modernista italiano, confira em nosso blog: Renzo Piano: a arquitetura que recomeça do zero a cada projeto

Carlo Scarpa: “O Professor”

 

Carlo Scarpa nasceu em 2 de junho de 1906 na cidade de Veneza, mas mudou-se com a família, dois anos depois, para a cidade de Vicenza, onde permaneceu até os 13 anos de idade, quando sua mãe faleceu.

De volta para Veneza, Carlo Scarpa cursou a Academia de Belas Artes, onde estudou arquitetura, graduou-se em 1926 e continuou os estudos, sob a orientação do arquiteto Francesco Rinaldo, até receber o título de Professor de Arquitetura, iniciando sua atividade docente na Universidade Luav de Veneza, onde permaneceu até 1977.

Nesse período, Carlo Scarpa casou-se com a sobrinha de Rinaldo, Nini Lazzari.

No entanto, Carlo Scarpa se recusou a prestar um exame profissional obrigatório, imposto pelo governo italiano depois da Segunda Guerra Mundial, e, por isso, não tinha autorização legal para trabalhar como arquiteto.

Para burlar essa burocracia, Carlo Scarpa sempre mantinha uma parceria com algum arquiteto. Em respeito ao seu talento, e já que não tinha o título oficial de arquiteto, era tratado por aqueles que trabalhavam com ele, assim como por seus clientes, como “professor”.

Em 1927, Carlo Scarpa se interessa pelos trabalhos em vidro da famosa cidade de Murano e, por quatro anos, estuda e se dedica a criações com este material, para a empresa Cappellini y C.

Depois deste aprendizado, Carlo Scarpa, alguns anos mais tarde, inicia uma parceria com outra referência do trabalho em vidro italiano, Paolo Venini, trabalhando como diretor artístico de sua empresa de 1934 a 1947.

A partir deste período, sua carreira se torna cada vez mais criativa e o reconhecimento vem na forma de diversos prêmios e conquistas.

Prêmios e conquistas de Carlo Scarpa

 

1948: faz a montagem de uma exposição retrospectiva sobre Paul Klee, o que é o começo de uma longa parceria com a Bienal de Veneza, consagrando-se como idealizador de espaços para obras de arte, o que lhe garantiu mais de 60 projetos do mesmo tipo em diversos museus ao redor do mundo.

1956: é premiado por seus trabalhos para a empresa Olivetti.

1967: recebe o Prêmio para Arquitetura da Presidência da República da Itália.

1970: torna-se membro do Real Instituto Britânico de Design.

1976: ingressa na Academia de San Luca, em Roma.

Nesse mesmo período de grande reconhecimento, teve a oportunidade de se destacar como conferencista, de 1951 a 60, para os bolsistas do instituto Fulbright, a convite da Comissão Americana de Intercâmbios Culturais.

Além disso, Carlo Scarpa realizou uma série de exposições de suas próprias obras, dentre as quais podemos destacar a que aconteceu no Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (1966) e outras que percorreram em cidades como Veneza (1968), Londres e Paris (1974) e Madri (1978).

Período no Estados Unidos e viagem ao Japão

 

Carlo Scarpa aproveita todo este destaque e reconhecimento para estudar ainda mais sua arte. Nos Estados Unidos, mergulha sobre a obra e os projetos de Frank Lloyd Wright e dedica-se a montagem de diversas exposições, das quais podemos destacar a criação da Seção de Poesia do Pavilhão Italiano da Exposição Universal de Montreal, em 1967, e a exposição de desenhos de Erich Mendelsohn, em Berkeley e em São Francisco, em 1969.

A influência japonesa na obra de Carlo Scarpa teve início com sua viagem para o Japão em 1969.

Impressionado com o país, retornou para lá em 1978, quando, ao cair de um lance de uma escadaria de concerto, se feriu gravemente e passou dez dias internado sob cuidados hospitalares, antes de falecer, na cidade de Sendai.

Foi somente após a morte que o “professor” recebeu finalmente o diploma “honoris causa” em Arquitetura, o que lhe permitiria assinar a autoria de suas próprias obras.

Um dos seus últimos projetos ficou inacabado, devido a sua morte, mas foi finalizado, em 2006, por seu filho Tobia. Trata-se da Villa Palazzetto em Monselice, considerado um dos projetos de paisagismo mais arrojados de Carlo Scarpa.

carlo-scarpa-villa-palazzetto

Carlo Scarpa: villa palazzetto

Interessado em outras obras de paisagismo? Confira em nosso blog:

Obras de Carlo Scarpa

 

Veja uma lista de outros trabalhos famosos do artista italiano Carlo Scarpa:

  • Galerias dell’Accademia, em Veneza
carlo-scarpa-galeria-dell-accademia

Carlo Scarpa: galeria dell’accademia

  • Palazzo Abatellis, em Palermo
carlo-scarpa-palazzo-abatellis

CarloScarpa: palazzo abatellis

  • Palazzo Ca’Foscari, em Veneza
carlo-scarpa-ca-foscari

Carlo Scarpa: ca’foscari

  • Casa Veritti, em Udine
carlo-scarpa-palazzo-veritti

Carlo Scarpa: veritti

  • Museo Canova di Possagno
carlo-scarpa-museo-canova-di-possagno

Carlo Scarpa: museo canova di possagno

  • Museu de Castelvecchio, em Verona
carlo-scarpa-museu-de-castelvecchio

Carlo Scarpa: museu de Castelvecchio

  • Loja da Olivetti, na Praça de São Marcos, em Veneza
carlo-scarpa-loja-olivetti

Carlo Scarpa: loja olivetti

  • Fundação Querini Stampalia, em Veneza
carlo-scarpa-querini-stampalia

Carlo Scarpa: querini stampalia

  • Tumba e Santuário de Brion, em San Vito d’Altivole
carlo-scarpa-tumba-e-santuario-brion

Carlo Scarpa: tumba e santuário brion

  • Banco Popular de Verona
carlo-scarpa-banco-popular-verona

Carlo Scarpa: banco popular verona

Carlo Scarpa deixou um legado em que o design e a arquitetura se mesclam de maneira magistral e terminou seus dias de forma trágica e precoce, mas fazendo algo que muito o alegrava na vida: ver as coisas para aprender com elas, como deixou eternizado nesta frase:

Eu quero ver as coisas. Esta é a única coisa com a qual posso me relacionar 

Quer conhecer a vida e a obra de outros arquitetos europeus? Leia estes artigos de nosso blog: