Mies van der Rohe: vidro, aço e arquitetura

Menos é mais. Quantas vezes você já ouviu esta frase? Sabia que seu autor foi nada menos que o próprio arquiteto Mies van der Rohe?  

Pioneiro da arquitetura moderna, ao lado de Le Corbusier, Walter Gropius e Frank Lloyd Wright, ajudou a criar um estilo de arquitetura característico do século 20: com muita luz e simplicidade, aço industrial e vidro temperado, espaços abertos e sem obstáculos.

Conheça agora detalhes da vida e da obra desse mestre da arquitetura.

Mies van der Rohe: proporção e estrutura que se tornam grandes ideias

 

O arquiteto Mies van der Rohe nasceu em Aachen, na Alemanha, em 27 de março de 1886. Trabalhou durante a adolescência com o pai, na construção civil, mas, por volta de 1908, mudou-se para Berlin onde ingressou em escritórios de arquitetura como os de Bruno Paul e Peter Behrens.

Inicia a carreira construindo casas populares em estilos medievais tradicionais alemães, mas depois de servir no corpo de engenharia durante a primeira guerra mundial, volta a pátria obstinado em se tornar um arquiteto famoso.

Entra em contato com novas tendências, como o construtivismo russo, entre outros, e transforma seu estilo. Mas, apesar disso, ainda no início dos anos 20, percebe que tem muitos projetos elogiados, porém poucas construções erguidas.

Decide se adaptar à realidade econômica alemã, passa a usar materiais tradicionais com muita técnica e precisão construtiva e passa a ser notado.

Conheça também a história de Lina Bo Bardi e veja como ela mudou a arquitetura no Brasil.

Cria a expressão “pele de vidro”, em que esta seria o invólucro da “estrutura óssea” do edifício. Para esse tipo de projeto, abusa de esquadria metálicas emoldurando lâminas de vidro, conseguindo belos efeitos com os reflexos criados.

Em 1929, ao criar o Pavilhão Alemão da Exposição Internacional de Barcelona, com matérias nobres, mármore travertino e pilares de aço sobre painéis de madeira, o que deveria ser temporário acaba se tornando uma de suas obras mais conhecidas (foi reconstruído, décadas mais tarde).

mies-van-der-rohe-pavilhao-alemao

mies van der rohe pavilhao alemao

mies-van-der-rohe-pavilhao-alemao-por-dentro

mies van der rohe: pavilhão alemão por dentro

No ano de 1930, consolida seu estilo com o projeto da Casa Tugendhat, outro trabalho minimalista, desta vez na República Checa.

mies-van-der-rohe-Casa-Tugendhat

mies van der rohe Casa Tugendhat

mies-van-der-rohe-Casa-Tugendhat-por-dentro

mies van der rohe: Casa Tugendhat por dentro

Nesse mesmo ano, impressiona o renomado arquiteto Gropius, que o convida para sua sucessão na escola Bauhaus, que Mies acaba transferindo de Dessau para Berlim, mais tarde, devido a seu antagonismo pessoal com a ideologia nazistas que se interferia em tudo na Alemanha daquela época.

Nesse período em que dirigiu a escola, conviveu com artistas do porte de Kandinsky e Paul Klee.

Mudança para os Estados Unidos

 

Uma interessante artimanha do destino atraiu Mies van der Rohe, em 1937, para os Estados Unidos. O arquiteto Philip Johnson o convidou para um projeto publicitário, que nunca se concretizou.

Mas em sua permanência por lá, acabou aceitando o convite para dirigir a Escola de Arquitetura do Instituto de Tecnologia de Illinois, em Chicago, onde, por sinal, se concentraram, ao longo do tempo, muitas de suas obras, como os 20 edifícios projetados para o Instituto, em uma área de mais de 50 hectares.

mies-van-der-rohe-Escola-de-Arquitetura-do-Instituto-de-Tecnologia-de-Illinois

mies van der rohe Escola de Arquitetura do Instituto de Tecnologia de Illinois

A partir daí sua trajetória de sucesso se consolida cada vez mais, tanto como professor quanto arquiteto, em uma sequência de obras que são sempre marcadas por seu estilo. Todo esse sucesso nos Estados Unidos acaba por fazer Mies se naturalizar americano.

Uma parte pitoresca de sua história aconteceu de 1946 a 1951, durante o projeto e edificação da casa da Dra. Edith Farnsworth.

mies-van-de-rohe-casa-edith-farnsworth

mies van de rohe casa edith farnsworth

A residência parece flutuar em estacas (o terreno é suscetível de inundações), mas o efeito acaba em controvérsia e desentendimento entre a proprietária e Mies van der Rohe, gerando uma campanha contra ele, que é taxado de uma “ameaça à arquitetura e ao estilo de vida americano”.

Mas aparentemente nada disso surte grande efeito, pois em 1951 já está de pé outro de seus projetos mais famosos, os edifícios em aço e vidro na Lake Shore Drive, à beira do Lago Michigan.

mies-van-der-rohe-lake-shore-drive

mies van der rohe lake shore drive

E 1958, é convidado para projetar o edifício da fábrica de bebidas Seagram. Com 38 pavimentos, transformou-se em uma espécie de símbolo do chamado “Estilo Internacional”, a grande escola de Mies. A novidade, neste caso específico, foi usar apenas metade da área do terreno para construir a edificação, criando espaços abertos e amplitude.

A obra de Mies não se restringe aos EUA, pouco depois, em 1959, Mies van der Rohe cria um projeto no Brasil, para o Consulado Americano, na cidade de São Paulo e, entre 1967 e 69, projetou o Toronto-Dominion Center (TDC), no Canadá, um complexo de 6 edifícios de escritórios.

mies-van-der-rohe-toronto-dominion-center

mies van der rohe toronto dominion center

Em 1968, uma de suas últimas obras é edificada em sua terra natal, a Neue National Galerie, na Alemanha.

mies-van-der-rohe-neue-national-galerie

mies van der rohe neue national galerie

mies-van-der-rohe-neue-national-galerie-por-dentro

mies van der rohe: neue national galerie por dentro

Não se pode deixar de mencionar outro ícone da arquitetura de Mies, que foi o prédio da IBM, em Chicago, um dos primeiros edifícios projetados com o conceito de elevadores inteligentes e preparado para receber redes de computadores.

mies-van-der-rohe-predio-ibm

mies van der rohe predio ibm

Seu derradeiro trabalho foi uma homenagem a um herói americano, a Biblioteca Memorial “Martin Luther King Jr.”, que foi concluída no ano de 1972, em Washington.

mies-van-der-rohe-biblioteca-martin-luther-king-jr

mies van der rohe biblioteca martin luther king jr

Aos 83 anos de idade, no dia 17 de agosto de 1969, Mies van der Rohe faleceu, deixando um legado que se traduziu não só em obras, mas em todo um estilo e uma verdadeira escola da arquitetura moderna em, como ele dizia: “Deus está nos detalhes”.

Mobiliário: muita além das “Barcelonas”

 

Não poderíamos deixar de incluir no legado de Mies van der Rohe sua paixão pelo mobiliário que inclui criações que não se restringem à emblemática cadeira Barcelona – com certeza você já se sentou em uma delas -, mas conta também também clássicos do design como a cadeira BRNO, as variações da cadeira MR, a aconchegante poltrona MR, o sofá Knoll e muitas outros, sempre misturando materiais diversos ao metal curvado, do couro ao junco, criando efeitos ao mesmo tempo belos e funcionais.

mies-van-der-rohe-cadeira-barcelona

mies van der rohe: cadeira barcelona

mies-van-der-rohe-cadeira-brno

mies van der rohe: cadeira brno

mies-van-der-rohe-cadeira-mr

mies van der rohe: cadeira mr

mies-van-der-rohe-sofa-knoll

mies van der rohe: sofa knoll

 

Legado de Mies van der Rohe

 

Mais do que toda esta série de edifícios e residências, museus e prédios públicos, uma postura centrada na beleza como função da praticidade marca os ideais de Mies.

Sempre com muita precisão técnica aliada à funcionalidade, e um senso estético minimalista de formas simples, uma frase de Mies se destaca:

“Negamo-nos a reconhecer os problemas da forma, só aceitamos os problemas da construção. A forma não é o objetivo do nosso trabalho, mas apenas o seu resultado. A forma não existe por si mesma”

De tudo que este gênio idealizou e construiu, e que acompanhamos brevemente neste texto, podemos afirmar com certeza: menos, pode até ser mais, mas o menos dele, faz muito mais efeito que o menos dos outros.

Conheça também o trabalho de outros profissionais de mudaram a história do mundo na arquitetura e paisagismo: