Conheça Philip Johnson: o primeiro arquiteto a ganhar o Prêmio Pritzker

Philip Johnson é um dos maiores arquitetos do século XX.

O americano é o criador de uma das obras mais famosas e emblemáticas da arquitetura moderna: a Glass House.

Além de contribuir para a expansão do estilo nos EUA, ele também foi o responsável por grandes projetos da arquitetura pós-moderna e contribuiu diretamente para a popularização do desconstrutivismo.

Todo seu talento e inovação foram reconhecidos em 1979, quando Philip Johnson tornou-se o primeiro ganhador do Prêmio Pritzker.

Quer saber mais sobre as obras e trajetória desse grande arquiteto? Preparamos um post especial para você, acompanhe!

Gosta de conhecer a história de grandes arquitetos? Aproveite para ler também:

  • Jean Nouvel: o arquiteto francês que valoriza o Oriente Médio com suas obras
  • Conheça Kengo Kuma, o autor do novo estádio Olímpico de Tóquio para 2020
  • Álvaro Siza: Conheça o estilo minimalista deste grande arquiteto português

Philip Johnson: biografia

 

Philip Johnson

Philip Johnson

Philip Johnson nasceu em Ohio, em 1906.

Sua primeira formação foi na área de Artes, concluída pela Harvard University em 1927.

Após finalizar os estudos, ele aceitou um convite para ser diretor do Museu de Arte Moderna de Nova York (MOMA), que havia sido criado recentemente.

Em 1929, Philip Johnson renunciou o cargo no museu para ser jornalista e atuar em movimentos políticos. Durante esse período, ele cobriu a convenção nacional do partido nazista, em Nuremberg e a invasão da Polônia em 1939.

Após se desinteressar pela política, ele voltou aos EUA e se formou em arquitetura em 1943.

Em 1967, o arquiteto se associou a John Burgee, com quem manteve uma parceria de sucesso que durou 20 anos. Nesse período eles criaram grandes projetos e Philip Johnson se aproximou de nomes como Le Corbusier e Mies Van der Rohe.

Com esse último ele criou uma ligação estreita, que trouxe a parceria no projeto do Edifício Seagram e a inspiração para a sua obra mais famosa: a Glass House.

Philip Jonhson, junto de Henry-Russell Hitchcoc, também foi o criador do termo “International Style”. Trata-se de um estilo arquitetônico e de design que privilegiava o funcionalismo e pregava que a arquitetura deveria ser industrial, econômica e acessível.

O estilo internacional influenciou diretamente a primeira geração de arquitetos modernistas brasileiros como Lúcio Costa, Oscar Niemeyer e Affonso Eduardo Reidy.

Devido ao conjunto de sua obra e as contribuições para a arquitetura, Philip Jonhson foi o primeiro ganhador do prêmio Pritzker em 1979.

Além de arquiteto, ele também foi crítico e historiador. Seu falecimento ocorreu no dia 25 de janeiro de 2005.

Philip Johnson: o pai da arquitetura moderna nos EUA

 

Philip Johnson é conhecido como o pai da arquitetura moderna nos EUA.

Ele organizou a exposição “O Estilo Internacional: a Arquitetura desde 1922”, realizada no MOMA. Ela é considerada um marco, pois foi nesse momento que o público americano conheceu o modernismo na arquitetura.

Os primeiros anos de sua carreira foram dedicados a divulgar o movimento arquitetônico, tanto criando exposições como apoiando o trabalho de Le Corbusier, Mies Van der Rohe e John Burgee.

Desconstrutivismo

 

Em 1988, Philip Jonhson, em parceria com Mark Wigley, organizou a exposição “Deconstructivist architecture”.

Ela contou com obras de Peter Eisenman, Frank Gehry, Zaha Hadid, Rem Koolhaas, Daniel Libeskind e Bernard Tschumi.

Foi a partir daí que esses nomes ganharam reconhecimento e a arquitetura desconstrutivista foi apresentada ao mundo.

 

Philip Johnson: projetos

 

Uma curiosidade é que, entre os mais de 2 mil projetos que Philip Johnson criou ao longo da vida, apenas dois são modernistas: a Booth House e a Glass House.

Grande parte de suas obras são arranha-céus, muitos com estilo pós-moderno, como o AT&T e o PPG Place.

Veja os projetos de Philip Johnson:

  • Seagram Building
Philip Johnson: Seagram Building

Philip Johnson: Seagram Building

  • PPG Place
Philip Johnson: PPG Place

Philip Johnson: PPG Place

  • Torre Bank of America
Philip Johnson: Torre Bank of America

Philip Johnson: Torre Bank of America

  • Comerica Bank Tower
Philip Johnson: Comerica Bank Tower

Philip Johnson: Comerica Bank Tower

  • AT&T Building
Philip Johnson: AT&T Building

Philip Johnson: AT&T Building

  • Penzoil Place
Philip Johnson: Penzoil Place

Philip Johnson: Penzoil Place

  • One Atlantic Center
Philip Johnson: One Atlantic Center

Philip Johnson: One Atlantic Center

  • Amon Carter Museum of Western Art
Philip Johnson: Amon Carter Museum of Western Art

Philip Johnson: Amon Carter Museum of Western Art

Puerta de Europa

 

O Puerta de Europa, projetado em parceria com John Burgee, é uma das obras destacadas do arquiteto.

Trata-se de duas torres, localizadas em Madri, que têm como principais características a inclinação de 14,3 graus e as fachadas que mesclam vidro, alumínio e aço inoxidável.

Philip Johnson: Puerta de Europa

Philip Johnson: Puerta de Europa

Catedral de Cristal

 

Outro destaque é a Catedral de Cristal, um templo cristão localizado na Califórnia. O local, que pode abrigar cerca de 2.700 pessoas, tem uma fachada de vidro composta por mais de 10 mil painéis.

Em seu interior, estão um altar de mármore de 56 metros de largura, um auditório com 300 assentos e um dos maiores órgãos do mundo.

Catedral de Cristal: Philip Johnson

Catedral de Cristal: Philip Johnson

Booth House

 

Mais uma obra destacada de Philip Johnson é a Booth House. Ela foi construída em 1946, três anos antes da Glass House, e trata-se do primeiro projeto do arquiteto pós Segunda Guerra Mundial.

Ela foi erguida com blocos de concreto, vigas de aço e colunas. Em seu interior, observamos um plano simples com uma lareira de tijolos e paredes de vidro e alvenaria.

A Booth House, diferente da Glass House, oferece mais privacidade aos moradores com a divisão dos espaços.

Philip Johnson: Booth House

Philip Johnson: Booth House

Glass House: a obra prima de Philip Johnson

 

Philip Johnson: Glass House

Philip Johnson: Glass House

Sem dúvidas, a Glass House (Casa de Vidro) é uma das obras mais importantes da arquitetura moderna.

Localizada em New Canaan, Connecticut, ela foi construída em 1949 e causou curiosidade na vizinhança devido suas características inovadoras.

A obra ressalta a simplicidade e tem proporções bem definidas. Philip Johnson precisou criar 16 projetos completos até encontrar o que considerava a forma ideal.

Já em relação ao local no terreno, a escolha foi bem mais rápida: demorou apenas 5 minutos. A obra fica sobre uma elevação, e essa escolha tem um motivo bem curioso:

Você deve sempre construir sua casa sobre uma elevação, pois os bons espíritos serão capturados pela colina que está por trás da casa

– Philip Johnson

Características da Glass House

 

A Glass House é assumidamente inspirada na Casa Farnsworth, de Mies van der Rohe.

Explicando a obra em poucas palavras, trata-se de um bloco cercado por uma fachada de vidro e arestas de aço de cor preta. Seu espaço interno tem um pouco menos de 170 m² e sua decoração é minimalista.

A obra tem a planta livre e todas as suas paredes são de vidro. As divisórias ficam a cargo de alguns objetos, como armários e um cilindro de tijolos que acomoda a lareira e o banheiro.

Philip Johnson: cama e armário da Glass House

Philip Johnson: cama e armário

Philip Johnson: lareira da Glass House

Philip Johnson: lareira

Philip Johnson: banheiro da Glass House

Philip Johnson: banheiro

Dessa forma, todos que visitam o interior da casa têm uma visão quase 360º da bela paisagem ao redor.

O revestimento do chão é feito de tijolos avermelhados retangulares, encaixados no padrão conhecido como Herringbone pattern. Já o teto é revestido com concreto aparente.

Philip Johnson: revestimento do piso da Glass House

Philip Johnson: revestimento do piso

Além da Glass House, o terreno de 20 hectares ainda abriga outras construções, como uma galeria subterrânea e um pavilhão. O local foi a residência do arquiteto até sua morte, em 2005. Hoje, a obra é aberta ao público e recebe cerca de 13 mil visitas por ano.

No site oficial da Glass House é possível conferir a planta baixa da casa e vários outros detalhamentos do projeto.

Philip Johnson surpreendeu a todos com suas obras, não é mesmo? Você também pode encantar seu cliente com um projeto incrível! Receba nosso material e confira dicas que vão dar um UP na sua carreira: