Arquitetura Africana: há 35 mil anos representando a diversidade e cultura do povo africano

arquitetura-africana-piramide

Arquitetura africana: pirâmide de Gizé

Pode parecer inacreditável, mas a África ainda mantém-se como um continente desconhecido para a maioria das pessoas.

É um território muito grande, com uma cultura bastante diversificada, que influenciou a de muitos outros países, como o Brasil.

Também tem uma infinidade de grupos étnicos e linguísticos que foram pioneiros na arquitetura, desenvolvendo as suas próprias tradições.

O fato é que os primeiros colonizadores subestimaram a riqueza de sua arte, pois consideravam seus povos muito primitivos e exóticos.

Essa denominação englobava todas as raças do continente, sem qualquer exceção.

Somente no século XX é que os estudiosos da Europa, principalmente os antropólogos, se dedicaram a entender a cultura africana, muito além dos estereótipos.

Confira em nosso blog quem é David Adjaye, arquiteto e a pessoa negra mais influente da Grã-Bretanha

A geometria na arquitetura africana

 

A Arquitetura Africana tem uma origem que quase se perde no tempo. Há 35.000 anos, algumas etnias desse continente já estavam desenvolvendo estudos na área da matemática, da geometria e da engenharia.

Elas propagaram esse saber por gerações principalmente através da transmissão oral, uma marca de sua cultura.

Há também regiões entre o Saara e o Sudão onde havia o uso da escrita Akan e Manding, que já documentavam esses conhecimentos arquitetônicos.

Sobre a geometria na arquitetura africana tradicional, uma expressão que se destaca é o uso de fractais.

A arquitetura africana representa, através de edificações e traçados urbanos, as formas aplicáveis ao nosso universo, tais como as organizações de planetas, pétalas de flores e conchas.

No estudo dos fractais veem-se as diferentes maneiras de representação de imagens reais e surreais através das curvas e outras estruturas irregulares ou fragmentadas.

Podem-se encontrar facilmente exemplos de fractais na natureza.

arquitetura-africana-fractal-natureza

Arquitetura Africana: exemplo de fractal na natureza

Essa é justamente, a maior inspiração da arquitetura africana, do seu urbanismo e da arte africana antiga, também.

Um exemplo é a vila Bai-la, na Zâmbia, onde a disposição das casas formam enormes anéis, que crescem de dentro para fora – os círculos são as casas das famílias.

arquitetura-africana-vila-ba-ila

Arquitetura africana: Vila Bai-la

Na aldeia de Logone Birni, em Camarões, as proporções geométricas se repetem seguindo outra regra.

arquitetura-africana-aldeia-logone-birni

Arquitetura africana: aldeia Logone Birni

A organização das edificações foi feita a partir de uma base retangular, partindo de uma repetição de fractais retangulares idênticos. O resultado é uma grade composta por vinte retângulos.

Já nas montanhas de Mandra, as etnias Kirdi usam na formação de suas construções e na organização de suas aldeias um design fractal chamado de “mokoulek”.

arquitetura-africana-aldeia-kirdi

Arquitetura africana: aldeia Kirdi

As casas, feitas em pedra, têm aparência de pequenos silos circulares. Outras edificações, bem maiores, parecem crescer em espiral à partir de um ponto no centro que tem formato quadrangular.

A arte africana na arquitetura

 

arquitetura-africana-arte-na-arquitetura-africana

Arquitetura africana: arte na arquitetura africana

A arte africana na arquitetura se inspirou nos fractais e essas manifestações podem ser ainda vistas em exemplares antigos de sua arquitetura preservada.

Seus motivos são muito variados, mas a maioria exibe formas essencialmente geométricas e cheias de cores.

Gravuras assim cobrem paredes de palácios reais, celeiros e choupanas sagradas.

Além das pinturas, existem outras peças decorativas de arte africana. As máscaras são as que merecem destaque especial.

Para esses e outros tipos de esculturas, eram usados os seguintes materiais disponíveis: madeira, marfim, terracota, bronze, cobre, latão e ouro.

A arquitetura antiga africana

 

Na África é possível encontrar diferentes estilos de arquitetura.

O mais conhecido é o egípcio. Nessa região ocorreram várias manifestações artísticas, ao longo de muitos séculos.

A maioria delas servia à religião, ao estado e aos faraós.

A tipologia construtiva comum eram os templos. Mas, hoje, o que mais chama a atenção dos pesquisadores são as pirâmides.

A primeira pirâmide foi a de degraus, projetada pelo arquiteto Ihmotep, durante o governo do faraó Djoser.

arquitetura-africana-piramide-de-djoser

Arquitetura africana: pirâmide de Djoser

Já as mais famosas são as da Necrópole de Gizé – além da Grande Esfinge, igualmente importante para a arquitetura egípcia.

arquitetura-africana-piramide-de-gize

Arquitetura africana: pirâmide de Gizé

Porém, no Sudão, também existem vários exemplares de pirâmides, que foram construídas durante o período do Império da Núbia antiga.

arquitetura-africana-piramide-do-sudao

Arquitetura africana: pirâmides do Sudão

Aproveite e desvende a incrível história do design de interiores, do Antigo Egito até os dias de hoje!

Outras construções que devem ser comentadas são:

 

  • As igrejas escavadas na rocha vulcânica de Lalibela, na Etiópia, como o Templo de São Jorge;
arquitetura-africana-igreja-de-são-jorge

Arquitetura africana: igreja de São Jorge

  • A arquitetura do Saara indígena, com casas feitas de tijolo de barro vermelho e telhados revestidos com madeira de palmeira, como a Mesquita Chinguetti;
arquitetura-africana-mesquita-chinguetti

Arquitetura africana: Mesquita Chinguetti

  • As de Mali, com influência islâmica, como a Mesquita de Djenné;
arquitetura-africana-mesquita-djenne

Arquitetura africana: Mesquita de Djenné

  • As da África do sul, com influência europeia.
arquitetura-africana-igreja-holandesa-reformada

Arquitetura africana: Igreja Holandesa reformada

Quanto às civilizações interioranas, os bantos tinham uma tipologia bem marcante, as cubatas.

arquitetura-africana-cubata

Arquitetura africana: Cubata

Essas construções eram em formato de cone sobre um cilindro, ordenadas em fitas de acordo com os clãs, havendo também uma rua central.

Seu terreno, chamado de kraal, costumava ser cercado, pois esse tipo de agrupamento ficou conhecido como “sanzala” ou “quilombo”, também existente no Brasil.

Arquitetura vernacular africana

 

Infelizmente, a arquitetura vernacular africana foi confundida muitas vezes com escassez e pobreza.

Na época pré-colonial, a arquitetura africana era vernacular. Isso significa que os povos utilizavam materiais pertencentes à sua própria região, construindo em equilíbrio com o meio.

Cada tribo desenvolveu seu próprio método, baseado nas tradições.

Em geral, as choupanas eram erguidas com barro e fibras secas. Muitos exemplos estão documentados no trabalho de pesquisa do arquiteto Jon Sojkowski.

Em todo o território africano há exemplos de arquitetura vernacular:

  • Em Gana há mesquitas, como a Ashanti, feitas com paredes de barro sustentadas por uma amarração de estacas;
arquitetura-africana-mesquita-ashanti

Arquitetura africana: mesquita Ashanti

  • Em Camarões, as casas de Tolek têm cúpulas de terra compactada;
arquitetura-africana-casas-tolek

Arquitetura africana: casas em Tolek

  • Em Mali, existem edifícios e templos escavados nas montanhas, como os dogons, nas Falésias de Bandiagara.
arquitetura-africana-dogons

Arquitetura africana: Dogons

Wang Shu é um arquiteto que também aposta nas soluções vernaculares. Confira sua incrível história em nosso post.

A arquitetura moderna africana

 

Além dos projetos antigos, também existem muitas boas propostas de arquitetura moderna africana.

Obras belíssimas, como as realizadas por Francis Keré, têm sido pouco divulgadas no meio acadêmico.

Talvez por isso tenham surgidos propostas controversas, como a Eko Atlantic City, em Lagos, na Nigéria.

arquitetura-africana-eko-atlantic-city

Arquitetura africana: Eko Atlantic City

Esse modelo urbano, tão falho, ignora as milhares de famílias que vivem em casas tradicionais de palafita.

Em contrapartida, o modelo urbano proposto pelo arquiteto Magnus Larsson, o ‘Dune’, atende melhor não só as necessidades humanas como as do meio ambiente.

arquitetura-africana-dune

Arquitetura africana: Dune

A ideia é criar abrigos a partir da própria areia do deserto e controlar as dunas próximas à Sahel.

Além disso, seria feito um grande muro verde para regenerar as terras inférteis, proteger as periferias e proporcionar mais qualidade de vida aos moradores.

Quanto às construções modernas, se destaca as casas de garrafas da aldeia Sabon Yelwa, realizadas pela DARE, em parceria com a ONG Africa Community Trust.

arquitetura-africana-casa-de-garrafas

Arquitetura africana: Casa de garrafas plásticas

Ou a proposta dos estudantes brasileiros Abiola Akandé Yayi e Robert Soares para o pavilhão em terra de Niamey, também na Nigéria.

arquitetura-africana-pavilhao-niamey

Arquitetura africana: Pavilhão Niamey

E ainda a passarela em aço projetada por Mark Thomas para o Jardim Kirstenbosch, na África do Sul.

arquitetura-africana-passarela-de-aco

Arquitetura africana: passarela de aço

Veja, logo abaixo, outros exemplos da arquitetura moderna africana

 

  • Capela Bosjes – África do Sul;
arquitetura-africana-capela-bosjes

Arquitetura africana: Capela Bosjes

  • Freedom Park – África do Sul;
arquitetura-africana-freedom-park

Arquitetura africana: Freedom Park

  • Museu da Moeda – Angola;
arquitetura-africana-museu-da-moeda

Arquitetura africana: Museu da Moeda

  • Mercado Lideta – Etiópia;
arquitetura-africana-mercado-lideta

Arquitetura africana: Mercado Lideta

  • DYEJI – Angola;
Arquitetura africana: DYEJI

Arquitetura africana: DYEJI

A arquitetura africana é mesmo incrível. Mas tão importante quanto fazer um trabalho incrível, é saber como divulgá-lo.

Confira os cursos do Viva Decora PRO Academy, especialmente voltados para arquitetos e designers de interiores om espírito empreendedor.

curso ciclo do encantamento