Confira 4 dicas de ouro sobre Contabilidade para arquitetos empreendedores

Abriu seu escritório de arquitetura e a burocracia contábil está te dando dor de cabeça?

Tem solução para isso, confira!

Contabilidade: precisa mesmo?

 

contabilidade-para-arquitetos

contabilidade para arquitetos

A Contabilidade é um conjunto de técnicas que lida com o patrimônio de empresas ou de pessoas físicas. Todas as movimentações de bens são registradas pela Contabilidade e transformadas em relatórios que serão muito úteis para futuras tomadas de decisões.

Dessa forma, cabe à Contabilidade escriturar e apurar os resultados pertinentes às variações quantitativas e qualitativas do patrimônio.

Por meio dessas informações, será possível definir indicadores de desempenho, planejar e controlar a maneira com que as finanças são conduzidas e definir ações.

Ok. Mas o que isso tem a ver com Arquitetura? A resposta é: muito mais do que você imagina.

Hoje você vai descobrir como a contabilidade para arquitetos pode ser útil aos profissionais da área que querem abrir uma empresa ou que já são donos do próprio negócio.

Aproveite e confira nosso ebook sobre gestão de tarefas!

Gestão de tarefas

Por que a Contabilidade para arquitetos é importante?

 

Para que uma empresa de arquitetura tenha sucesso, é preciso saber mais do que apenas criar projetos incríveis.

Manter um negócio saudável, lucrativo e regularizado é uma tarefa que pode ser facilitada por meio de uma boa Contabilidade e de algumas tarefas do setor financeiro.

Independente do tamanho do empreendimento, a Contabilidade é fundamental para garantir um controle financeiro e econômico eficiente.

É ela que coleta, organiza e mensura os dados referentes à movimentação patrimonial da empresa.

A Contabilidade permite que se faça um planejamento tributário por meio das informações coletadas, tais como valor de ativos, receitas, despesas, rentabilidade, lucratividade, produtividade da mão de obra, etc.

A Contabilidade é importante também para os processos de tomada de decisão. Isso porque, em posse dos dados contábeis, a empresa consegue visualizar onde é preciso cortar gastos e reduzir custos, ou se vale a pena fazer novos investimentos, por exemplo.

Os aspectos burocráticos que envolvem a abertura de um negócio também são responsabilidade do setor contábil, o qual previne irregularidades e evita que o gestor pague taxas e impostos mais altos.

Ter uma Contabilidade eficiente ajuda a impedir que a empresa tenha problemas com o Fisco, assegurando que todos os impostos sejam pagos e todas as movimentações financeiras sejam declaradas.

Em relação à situação patrimonial da empresa, a Contabilidade garante transparência aos sócios e demais envolvidos.

É, parece bem importante, não? E tem mais:

4 dicas de Contabilidade para arquitetos

 

Como você pôde observar, o bom uso da Contabilidade para arquitetos empreendedores é capaz de aliviar processos altamente burocráticos. Isso permite que a empresa possa exercer as suas atividades de maneira mais fluida, eficaz e eficiente.

Confira agora 4 dicas básicas que te ajudarão a lidar com a Contabilidade do seu negócio.

1 – Fuja da informalidade

 

O primeiro passo talvez seja o mais difícil. Isso porque abrir uma empresa no Brasil é um processo extremamente burocrático, demorado e cansativo. Porém, necessário.

Quando o seu negócio é formalizado, você terá mais credibilidade no mercado. Além disso, o acesso a linhas de crédito é facilitado.

Trabalhar como pessoa jurídica pode acarretar em uma economia de até 10% em impostos.

Além disso, existem clientes que só trabalham com quem faz emissão de notas fiscais. Na verdade, trabalhar de outra forma é extremamente arriscado.

2 – Defina o tipo de empresa ideal para o seu negócio

 

Um primeiro alerta: sua empresa não pode ser MEI!

De acordo com Portal do Empreendedor, profissões regulamentadas não podem se enquadrar no formato jurídico de Micro Empreendedor Individual (MEI).

Há algumas exceções, mas não é o caso dos profissionais de Arquitetura.

Portanto, depois de excluir essa possibilidade, ainda restam mais 3 alternativas:

Empresário Individual

 

Não é o mesmo que MEI.

As atividades permitidas são outras e o faturamento máximo anual pode chegar a R$ 360 mil.

Portanto, dependendo do porte de seu escritório de arquitetura, talvez exceda esse limite de faturamento.

EIRELI

 

Essa sigla significa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada.

Sua principal característica é ser formada por um único sócio que integraliza todo o capital.

A vantagem da EIRELI é que a responsabilidade é limitada, isto é: apenas o valor do capital social da empresa pode ser usado para o pagamento de dívidas, não se misturando com o patrimônio do empresário.

Sociedade Limitada

 

Trata-se de um formato jurídico de empresa que termina com o famoso LTDA, abreviação de limitada.

A responsabilidade de cada sócio se limita ao valor correspondente às suas cotas no capital social da empresa.

Além disso, é muito comum que o administrador da empresa não seja um de seus sócios, mas alguém contratado para isso.

3 – Seja claro sobre as atividades de seu escritório

 

Com base no tipo de empresa, algumas atividades poderão ou não ser exercidas pelo seu escritório de arquitetura.

Um detalhe que muitos deixam passar e pode trazer consequências fiscais graves para o seu negócio é que Serviços de Arquitetura recebe uma Classificação de Atividade Econômica diferente de Reformas e de Desenhos Técnicos.

Veja as diferenças nesses exemplos:

  • Desenho técnico especializado para arquitetura e engenharia: CNAE 7119-7/03
  • Reforma de apartamentos, casas, conjuntos habitacionais, prédios, edifícios etc: CNAE 4120-4/00
  • Reforma de calçadas: CNAE 4213-8/00
  • Serviços de arquitetura e paisagística: CNAE 7111-1/00

Portanto, é fundamental atentar para essa classificação e evitar problemas contábeis e fiscais.

Você pode usar este link para descobrir o código CNAE de qualquer atividade: CNAE

4 – Diferentes regimes tributários

 

O regime tributário é definido em função do faturamento de sua empresa e é preciso ter certeza de que será o mais indicado para o seu negócio pagar menos impostos, sem infringir a lei.

Lucro Real

 

Como o próprio nome diz, o cálculo dos impostos é baseado no lucro realmente obtido pela empresa.

Isso exige um estrutura contábil bastante eficiente e pode custar caro para o negócio.

Mas, para grandes empresa que podem arcar com essa despesa, é o mais indicado.

Lucro Presumido

 

Exatamente para facilitar a vida de empresas um pouco menores, o lucro presumido é mais fácil de apurar, pois se baseia na receita da empresa.

Simples Nacional

 

Simples e fácil de ser administrado, o Simples Nacional é ideal para quem não quer ter trabalho com o cálculo dos impostos.

Além disso, tem alíquotas menores para incentivar as empresas com receita anual máxima de 3,6 milhões de reais.

Vale lembrar que a profissão de arquiteto é regulamentada. Portanto, a sua empresa precisa estar registrada junto ao Conselho de Arquitetura e Urbanismo.

Para garantir que as atividades da empresa sejam exercidas de maneira legal, o registro no CAU deve indicar o arquiteto que será o responsável técnico.

Essas foram apenas algumas dicas de Contabilidade para arquitetos.

Não deixe de consultar um profissional contador. É ele que, na prática, vai te ajudar a organizar as finanças e os processos burocráticos da sua empresa.

Este posts foi escrito pela equipe da NFe.io, um sistema de emissão de nota fiscal que automatiza tarefas chatas para você focar no seu negócio.