Os Melhores Hacks Para Uma Gestão Financeira de Obra Eficiente

A gestão financeira de obra é atividade fundamental para qualquer profissional que deseja ter um negócio de sucesso. Afinal, os prazos e custos da obra possuem relação direta com os níveis de satisfação do cliente ao final de todo o processo.

Sendo assim, é de responsabilidade do profissional garantir que a obra será entregue dentro dos limites estipulados pelo cliente, evitando assim atrasos e custos extras. 

Como você sabe, uma obra (qualquer que seja o seu tamanho) demanda a atuação de diversos profissionais, equipamentos, materiais e ferramentas. Nesse sentido, fazer o controle de todas as variáveis envolvidas no planejamento e execução das obras é uma tarefa complicada. 

Para te ajudar, nós separamos os melhores hacks para fazer uma gestão financeira de obra que seja eficiente. Boa leitura!

Conheça os melhores hacks para fazer uma gestão financeira de obra que seja eficiente. Fonte: Blog Veja Obra

1. Conheça os melhores hacks para fazer uma gestão financeira de obra que seja eficiente. Fonte: Blog Veja Obra

1) Dedique tempo a etapa de planejamento

Eu tenho certeza que você já ouviu de alguém que a obra demorou o dobro do tempo para ser executada e ainda custou mais caro do que planejado. Isso só acontece quando o responsável pela obra não dedica tempo à etapa de planejamento da obra

O fato é que sem um planejamento bem feito, as chances do projeto ser entregue dentro dos prazos e limites financeiros estipulados pelo cliente são mínimas – tudo isso compromete a gestão financeira da sua obra!

É por isso que, antes de partir para a etapa de execução da obra, é necessário dedicar tempo para desenvolver não só o projeto, mas também organizar as atividades da obra em uma sequência lógica de execução, e claro, identificar o investimento necessário para a execução da obra.

2) Determine um orçamento 

Essa etapa é decisiva para uma gestão financeira de obras eficiente! Saber quanto o seu cliente está disposto a investir no projeto é fundamental para que você consiga desenvolver uma solução que caiba no bolso do cliente. Afinal, o orçamento disponível é ponto chave na etapa de especificação dos materiais.

Como você já sabe, as opções disponíveis no mercado hoje são muitas! Sendo assim, é preciso entender qual o nível de acabamento desejado, quais fatores têm maior peso para o cliente, e claro, quais os elementos dos quais o seu cliente não abre mão. Tudo isso você define na etapa de briefing de arquitetura e aprovação de projeto.

Com tudo isso definido, é hora de fazer o levantamento quantitativo. Ou seja, identificar quais os profissionais necessários para executar a construção, quais os materiais e insumos, e também os equipamentos. Não se esqueça de orçar mais de uma opção para cada um dos itens da lista de compras!

Por fim, é importante considerar uma margem de erro no orçamento da obra de até 15%. Essa reserva de emergência é o que evita que o seu cliente tenha surpresas ao final do projeto provenientes de custos extras.

Gestão financeira de obra: considere uma margem de erro no orçamento da obra de até 15%. Fonte: Blog Veja Obra

2. Gestão financeira de obra: considere uma margem de erro no orçamento da obra de até 15%. Fonte: Blog Veja Obra

3) Elabore um cronograma físico-financeiro

O cronograma físico-financeiro é etapa fundamental para uma gestão financeira de obras eficiente. Essa ferramenta permite identificar a quantidade de recursos financeiros necessários para a execução de cada uma das etapas de obra. Por que isso é importante? 

Porque por meio desse controle é possível criar um fluxo de caixa da obra, o que permite que o seu cliente organize os custos e pagamentos da forma mais assertiva possível. Isso garante que não faltarão recursos para seguir a obra, evitando a possibilidade de paralisação da mesma.

4) Acompanhe a obra

De nada adianta dedicar tempo na etapa de planejamento, e não acompanhar o que de fato está sendo executado na obra. O que classifica uma gestão financeira de obra eficiente é a discrepância entre os valores previstos na etapa de orçamento e o custo efetivo da obra.

Quanto maior a diferença entre os números, menos assertivo você foi! Por isso, a grande dica aqui é fiscalizar a obra com frequência para garantir que os recursos disponíveis estão sendo aproveitados, e que o planejamento está sendo seguido. Afinal, atrasos em obra podem custar caro para o seu cliente! 

Para garantir que você está realizando um trabalho assertivo, é importante contar com métricas de desempenho da obra. Esses dados irão te ajudar a identificar os desvios entre o planejado e o orçado, o que permite que você corrija os erros de forma ágil, além de servirem como aprendizado para obras futuras. 

Lembre-se: não se gerencia o que não se mede!

Veja também: 6 métricas para escritório de arquitetura que vão dar um UP no seu negócio

Gestão financeira de obra: fiscalizar a obra com frequência para garantir que os recursos disponíveis estão sendo aproveitados. Fonte: Blog Veja Obra

3. Gestão financeira de obra: fiscalizar a obra com frequência para garantir que os recursos disponíveis estão sendo aproveitados. Fonte: Blog Veja Obra

5) Adote um software de gestão 

Se você chegou até aqui então já percebeu que, para garantir uma gestão financeira de obra eficiente, é necessário controlar uma quantidade enorme de variáveis. Felizmente, hoje em dia é possível agilizar e organizar as informações da obra com o auxílio de softwares de gestão especializados, como é o caso do VEJA OBRA.

Essas ferramentas auxiliam o profissional desde o planejamento até o controle de execução da obra, garantindo um controle mais assertivo sobre as variáveis da obra. 

Conclusão 

A realização da gestão financeira de obras oferece inúmeras vantagens não só para o cliente final, mas também para o profissional que consegue ter uma equipe mais produtiva no canteiro de obras. 

Além disso, a gestão financeira da obra ajuda a melhor direcionar os recursos disponíveis para investimento, garantido que o projeto seja entregue dentro dos prazos e limites estipulados pelo cliente.

Este artigo foi redigido pela equipe do VEJA OBRA.