Arquitetura: música petrificada ou construção que ordena o espaço?

As definições de arquitetura de Oscar Niemeyer evoluíram, é claro, ao longo de seus mais de 100 anos de vida:

Arquitetura é antes de mais nada construção, mas, construção concebida com o propósito primordial de ordenar e organizar o espaço para determinada finalidade e visando a determinada intenção

Essa foi uma delas. Mas existe esta outra, mais inspiradora:

De um traço nasce a arquitetura. E quando ele é bonito e cria surpresa, ela pode atingir, sendo bem conduzida, o nível superior de uma obra de arte

Com certeza esta está bem mais próxima da definição de Goethe:

A arquitetura é música petrificada

Arte e técnica integradas, a arquitetura acompanha o ser humano desde que ele decidiu se proteger dos elementos e se fixar em espaços de forma mais perene, com o surgimento da agricultura.

E com o tempo, mais que proteger, a arquitetura também se tornou um forma de arte e símbolo de poder.

Nesta postagem, vamos ver um breve resumo em tópicos da história da arquitetura, alguns arquitetos e definir, afinal, o que um arquiteto faz?

Arquitetos precisam dominar uma série de habilidades, você sabe quais são? Leia este artigo e descubra: As habilidades de um arquiteto reveladas em frases famosas

Fases históricas da arquitetura

 

Na pré-história, inicialmente, os abrigos construídos pelo homem usam enormes pedras, formando construções muito semelhantes ao que se vê em Stonehenge, mas em menor escala.

Com o tempo, a madeira e coberturas vegetais foram sendo utilizadas também, assim como barro e tijolos, isso já mais próximo da antiguidade.

Nesse período, o objetivo da arquitetura era, na maioria das vezes militar, para a construção de fortificações; religioso, com templos, e político, na forma de palácios.

São famosas as pirâmides e outras edificações grandiosas construídas neste período, não só por egípcios, mas também por persas, babilônios e outros povos.

A arquitetura clássica, grega e romana, dominou o período seguinte, com sua colunas de pedra e espaços amplos, para que os interesses comuns da “polis” ou da “república” pudessem ser discutidos por seus representantes, sem deixar de lodo o aspecto religiosos, também.

Já, na idade média, as civilizações ocidentais desenvolveram a arquitetura em função de suas catedrais, com destaque para os estilos românico, gótico e visigótico, sem podermos deixar de mencionar as influências orientais, como a arquitetura bizantina e mourisca.

O fim da idade média e a chegada do renascimento trouxeram a descoberta da perspectiva e de uma série de técnicas construtivas e artísticas que deram muita mais leveza e criatividade à edificações.

Na sequência, mais adiante na história, outros importantes movimentos arquitetônicos, como o barroco, antecederam a chamada arquitetura neoclássica, que usa uma estética clássica, mas empregando novos materiais construtivos, acrescentando o concreto e o metal à pedra e à madeira.

Por fim, a arquitetura contemporânea veio romper barreiras de todos os tipos, seja de conceitos pré-concebidos ao uso de materiais e técnicas inovadoras, além de ressaltar também a importância social da arquitetura e do urbanismo, para que os resultados não fossem apenas belos e funcionais individualmente, mas que servissem de forma equilibrada às toda a comunidade.

Veja, no próximo tópico, detalhes da obra de alguns dos mais conhecidos arquitetos contemporâneos.

Depois dessa “aula” de história, que tal relaxar um pouco entendendo melhor como funciona a cabeça de um arquiteto? Vida de arquiteto: 21 reações que você já teve pelo menos uma vez na vida

Alguns arquitetos que fizeram a história da arquitetura

 

Selecionamos um relação de nomes da arquitetura que dizem muitos sobre ela:

  • Mies van der Rohe: este arquiteto alemão foi responsável por cunhar a frase: “menos é mais”, tradução de sua obra em que o simples se torna não apenas belo, mas funcional, e construído sempre com todo rigor técnico. Conheça um pouco de sua história: Mies van der Rohe: vidro, aço e arquitetura

O que faz um arquiteto?

 

O ofício de arquiteto o habilita a criar projetos de edificações e de diversos outros espaços – como praças, jardins, interiores e até cidades.

Esse esforço envolve elementos como a beleza estética, a funcionalidade, a escolha de materiais, das técnicas de construção, o melhor aproveitamento da luz solar, o abrigo das intempéries e muitos outros.

A arquitetura e o design estão intimamente ligados, como se revela claramente quando vemos a quantidade de arquitetos famosos que se dedicaram ao design de móveis, como Le Corbusier, Frank Gehry e Mies van der Rohe.

Na verdade, existem diversas áreas as quais um arquiteto pode se dedicar, e uma das que mais se destaca é o design de interiores.

Arquitetura de interiores

 

Também chamada de design de interiores ou decoração de interiores, não se restringe a escolha e disposição de móveis de uma casa, mas também inclui a execução de reformas, alteração da planta interna, escolha de novos materiais e revestimentos, otimização das instalações elétricas e hidráulicas e do aproveitamento da luz.

Mais do que a função estética, o objetivo do design de interiores é promover o bem-estar dos moradores ou de quem trabalha naquele local , mostrando que a arquitetura e a decoração comungam desse objetivo comum.

A arquitetura conta com paisagistas, urbanistas, designers de interiores e tantas outras especialidades. A verdade é que ela é ampla o suficiente para que cada arquiteto possa escolher o campo em que mais se destaca, para, assim, se diferenciar e mostrar o melhor de seu trabalho.

Veja algumas dicas de como definir o seu foco de atuação: