Archigram: Conheça o Grupo Que Desafiou a Arquitetura nos Anos 60

Archigram foi um grupo de arquitetos ingleses formado em 1961 que publicava suas propostas na revista de mesmo nome. Eles buscavam um diálogo mais próximo com o contexto cultural da época e, por isso, se inspiraram na tecnologia como forma de expressão.

A palavra “Archigram” é um neologismo com os termos “Architectural” e “Telegram” e manifesta a ideia de comunicar mensagens rápidas e de fácil entendimento relacionadas à arquitetura.

Se as ideias do Archigram, até hoje, impressionam devido a ousadia e criatividade, imagina só o impacto que elas causaram nos anos 60! Apesar de nunca terem sido colocadas em prática, elas trouxeram grandes reflexões sobre como podemos associar a tecnologia à arquitetura.

Quer descobrir quais são os projetos mais famosos do Archigram? No post de hoje, vamos contar a história do grupo e mostrar obras da arquitetura High Tech que foram influenciadas por ele. Acompanhe!

O que é Archigram?

Archigram foi um grupo de arquitetos ingleses formado em 1961 que publicava suas propostas na revista de mesmo nome. Eles buscavam um diálogo mais próximo com o contexto cultural da época e, por isso, se inspiraram na tecnologia como forma de expressão.

A palavra “Archigram” é um neologismo com os termos “Architectural” e “Telegram” e manifesta a ideia de comunicar mensagens rápidas e de fácil entendimento relacionadas à arquitetura.

Archigram: Única foto conjunta do grupo dos arquivos do Archigram, tirada em 1987, em um jantar comemorativo. Da esquerda para a direita Greene, Chalk, Cook, Webb, Herron, Crompton (foto: Coisas da Arquitetura)

Única foto conjunta do grupo dos arquivos do Archigram, tirada em 1987, em um jantar comemorativo. Da esquerda para a direita Greene, Chalk, Cook, Webb, Herron, Crompton (foto: Coisas da Arquitetura)

Os membros do Archigram foram Peter Cook, Warren Chalk, Ron Herron, Dennis Crompton, Michael Webb e David Green.

Archigram: História

Agora que você conferiu um resumo do que é o Archigram, vamos dar mais detalhes sobre sua história. Para que você entenda melhor os objetivos do grupo, é importante conhecer o contexto da época.

Os anos 60 e 70 trouxeram uma revolução econômica e tecnológica para os países desenvolvidos. Houve o avanço da corrida espacial, o desenvolvimento da comunicação via satélite e, consequentemente, a popularização da TV, entre outras mudanças que impactaram profundamente o comportamento social desses países.

Foi nesse período que a cultura de massas (ou cultura pop) começou a ganhar força e ter várias ideias difundidas. A maioria delas questionava as formas atuais de comportamento e sugeriam novas formas de se expressar artisticamente, seja por meio da arte, música e, claro, arquitetura.

Diante desse contexto, os arquitetos do Archigram passaram a ver os estilos e movimentos arquitetônicos da época como algo ultrapassado e obsoleto. Sua propostas tinham sempre um ar desafiador e inovador.

Quais são as características dos projetos do Archigram?

Os projetos e ideias do Archigram eram tão complexos e ousados que fica até difícil definir em poucas palavras quais eram suas características. Resumidamente, o Archigram quis trazer uma visão futurista da cidade como forma de crítica a estilos e movimentos arquitetônicos tradicionais.

Archigram: desenhos do grupo (foto: territorios.org)

Archigram: desenhos do grupo (foto: territorios.org)

Um dos objetivos principais do grupo era introduzir a arquitetura no âmbito de produção industrial, deixando um pouco de lado os conceitos artísticos, artesanais e históricos.

Para eles, as obras arquitetônicas poderiam ser alteradas de acordo com a necessidade do indivíduo por meio de elementos encaixados como plugs. Estruturas nômades, aéreas e cidades com mega-estruturas tecnológicas também faziam parte das ideias do Archigram.

Archigram: Torre Montreal (foto: territorios.org)

Archigram: Torre Montreal (foto: territorios.org)

Quais foram os projetos do Archigram mais famosos?

A linguagem utilizada na programação visual da revista Archigram era a da bricolage, através da justaposição de desenhos técnicos, artísticos, fotografias, fotomontagens e textos.

Veja agora os projetos do Archigram mais marcantes:

Walking City (Ron Herron, 1964)

Projetada por Ron Herron em 1964, a Walking City era composta por estruturas nômades com formas de animais. Elas eram capazes de estar em qualquer lugar, pois atravessam mares e desertos.

Esses veículos-cidades gigantes mediam cerca de 400 m de comprimento por 220 m de altura. Em relação a infraestrutura da cidade, ela oferecia habitações, escritórios, setores comerciais e serviços públicos e privados. Havia também a possibilidade de agregar equipamentos extras, como hospitais.

Archigram Walking City - Ron Herron (1964) (foto: Coisas da Arquitetura)

Archigram: Walking City – Ron Herron (1964) (foto: Coisas da Arquitetura)

Plug-in City (Peter Cook , 1964)

A Plug-in City é um dos projetos mais famosos do Archigram e influenciou obras da arquitetura High Tech (falaremos mais sobre o assunto ao longo do texto).

O projeto da Plug-in City consistia em uma malha regular de instalações técnicas e serviços aos quais as habitações seriam conectadas e desconectadas. O formato das estruturas permitia mudanças relativamente rápidas (uma das principais propostas do Archigram). Inclusive, os próprios edifícios poderiam mover-se.

Archigram: The Plug-in City - Peter Cook (1964) (foto: Archdaily)

Archigram: The Plug-in City – Peter Cook (1964) (foto: Archdaily)

Living Pod  (David Greene, 1965)

Esse projeto do Archigram consistia no estudo de uma casa cápsula que poderia se transformar em uma casa trailer. A ideia é que essa estrutura pudesse ser plugada e desplugada das cidades.

Ela poderia ser definida basicamente como uma cápsula hermética, pequena e confortável, com seu interior pensado a partir de compartimentos planejados para múltiplos usos.

Com o perdão do mestre [Le Corbusier], a casa é uma máquina para carregar consigo, a cidade uma máquina na qual conectar-se.

David Greene sobre o Living Pod

Archigram: Living Pod Project (foto: Pinterest)

Archigram: Living Pod Project (foto: Pinterest)

Archigram: Living Pod - interior (foto: Pinterest)

Archigram: Living Pod – interior (foto: Pinterest)

Quais obras foram influenciadas pelo Archigram?

Devido a complexidade e nível abstrato das ideias, nenhum projeto do Archigram foi executado, mas as ideias provocadoras do grupo inspiraram obras do movimento High Tech. Essa corrente da arquitetura surgiu a partir dos anos 70 e consiste no uso de materiais de alta tecnologia para a construção de grandes obras.

Archigram: Centro Georges Pompidou - fachada (foto: Pinterest)

Centro Georges Pompidou – fachada (foto: Pinterest)

Entre as obras inspiradas pelo Archigram, podemos citar o Centro Georges Pompidou, em Paris. Construído entre 1971 e 1977, ele foi projetado pelos arquitetos Renzo Piano e Richard Rogers, que junto com Norman Foster, são os principais nomes da arquitetura High Tech.

O que chama a atenção logo de cara na arquitetura do Centro Georges Pompidou é o uso inovador de conexões, tubos e cabos de aço.

Todas essas estruturas ficam expostas, é como se o visitante tivesse uma visão de raio X da obra.

Centro Georges Pompidou: tubos coloridos (foto: Pinterest)

Centro Georges Pompidou: tubos coloridos (foto: Pinterest)

Outra obra fortemente inspirada pelo Archigram é o The Lloyd’s Building, localizado em Londres. O projeto, que também é do arquiteto Richard Rogers, tem várias estruturas aparentes e lembra uma máquina.

Archigram: The Lloyd's Building (foto: Pinterest)

The Lloyd’s Building (foto: Pinterest)

O fato das estruturas de serviço estarem do lado externo do prédio (dutos de ventilação, elevadores, entre outros) facilita a manutenção e libera o interior para criar um plano aberto e flexível.

Todo o edifício é envolvido em aço inoxidável, dando ao prédio uma estética de alta tecnologia, quase pós-moderna.

The Lloyd's Building - interior (foto: Lloyd of London)

The Lloyd’s Building – interior (foto: Lloyd of London)

O que você acha das ideias do Archigram? Compartilhe com a gente nos comentários!