Intercâmbio de arquitetura no exterior: pago ou com bolsa de estudos?

Quando se fala em intercâmbio de arquitetura, é normal ficar perdido no meio de todas as oportunidades.

Existem opções de intercâmbio de arquitetura em que o estudante fará um curso do idioma do país para o qual viajou, só que as aulas têm como foco o estudo de arquitetura. Nesse caso, não há diploma na área, mas apenas um curso de idioma.

Outra maneira de fazer um intercâmbio de arquitetura no exterior é auxiliando na construção de habitações de forma voluntária, ou mesmo fazendo “viagens exploratórias” patrocinadas por instituições filantrópicas. Nesses dois casos, não se recebe diploma também.

Uma outra opção bastante usada é o chamado Co-Op Canadá. Neste caso, existe um convênio entre empresas privadas e alguns colleges e faculdades do Canadá, em que o aluno, além de fazer o curso, deve retribuir realizando estágios em escritórios de arquitetura.

Dependendo da modalidade do curso feito e de sua duração, é possível receber um título que os canadenses chamam de “Certificate” ou “Diploma”, correspondente ao nosso nível técnico.

Por fim, quem quiser realmente fazer um curso de intercâmbio de arquitetura no exterior com direito a título de graduação ou pós-graduação, pode optar por bolsas oferecidas por instituições internacionais, ou bancar os estudos.

Nessa postagem, vamos apresentar alguns exemplos desses tipos de intercâmbios de arquitetura e como fazer para participar deles.

Veja também: Mercado de trabalho de arquitetura: muito além da prancheta

5 oportunidades de intercâmbio de arquitetura que você não pode perder

intercambio-de-arquitetura-mapa

intercâmbio de arquitetura: mapa

Co-Op Canadá

 

O Canadá é um país conhecido por acolher estrangeiros, estimular a imigração e oferecer excelentes condições de estudo para quem vem de fora.

E uma de suas iniciativas mais interessantes nesse sentido é o Co-Op Canadá. Trata-se de um programa oficial do governo para facilitar o acesso a cursos de nível superior com duração mínima de 6 meses.

Nesse esquema, uma instituição de ensino superior e um empregador, no caso um escritório de arquitetura (o programa é aberto para diversos outros tipos de cursos também) oferecem condições especiais para que o aluno estude e faça estágio nessa empresa.

Mas a grande vantagem do programa é que ele permitirá que, além do estágio, o aluno possa trabalhar legalmente no país, ajudando a pagar o curso que pode custar entre 7 mil e 12 mil dólares canadenses. O custo normal de um curso desses seria bem mais elevado.

Veja também: 13 dicas para economizar dinheiro mudando seus hábitos

Bolsas de Viagem de Arquitetura – The Bilder Abroad

 

Se você sonha mesmo em fazer um intercâmbio de arquitetura no exterior e está disposto a, literalmente, por a mão na massa para isso, esta instituição internacional oferece bolsas para estudante ou recém-formados em arquitetura, incluindo alimentação e acomodação.

O objetivo é auxiliar na construção de moradias para comunidades carentes ao redor do mundo.

O único inconveniente é a duração da bolsa: uma semana. Mas, sem dúvida, não deixa de ser uma interessante experiência internacional para se colocar no currículo.

Veja mais informações aqui: The Bilder Abroad

Bolsa de Estudos em Arquitetura Steedman

 

Criada em 1926, a James Harrison Steedman Fellowship oferece um prêmio de 50 mil dólares por meio de um concurso realizado a cada dois anos.

Os candidatos precisam estar formados em arquitetura a no máximo 8 anos e submeter seu projeto de pesquisa a um comitê que escolherá o vencedor.

A duração da viagem não pode exceder uma ano e meio e, ao concluir seu estudo internacional, o escolhido deverá apresentar seu trabalho diante da comunidade de arquitetos, dos professores e estudantes da Washington University, na cidade de St. Louis.

Confira mais detalhes no site da premiação: James Harrison Steedman Fellowship

Bolsa de mestrado Erasmus 4Cities: estude em 4 países da Europa

 

Financiada pela Comissão Europeia, a Bolsa Erasmus oferece, dentre outros, um curso de Urbanismos de 2 anos de duração em que o aluno estuda em 4 países diferentes: Espanha, Áustria, Bélgica e Dinamarca.

Para quem não tem passaporte europeu é mais difícil de concorrer a bolas, mas existe essa possibilidade, desde de que o candidato não tenha trabalhado ou estudado na Europa por mais de 12 meses.

Para participar é preciso ser graduado em um destes cursos: Geografia, Sociologia, Literatura, Estudos Culturais, Arquitetura, Economia, Ciência Política, Administração Pública, Turismo, História, Criminologia, Estudos Midiáticos ou similares e ter feito prova de proficiência em inglês.

Veja todos os procedimentos de inscrição e os documentos necessários neste link: 4Cities

Bolsa de Viagem de “Contemplação da Arquitetura” Allen Brook

 

Deixamos a mais interessante de todas as opções de intercâmbio de arquitetura para o final de nossa lista.

Já pensou em viajar de graça pelo mundo, para apreciar a arquitetura, com tudo pago?

A Sociedade de Historiadores da Arquitetura oferece a bolsa H. Allen Brooks Travelling Fellowship para um estudioso da arquitetura, mas não exige que ele faça qualquer tipo de pesquisa ou apresente um trabalho, ao retornar.

O objetivo é “estudar por meio de viagens de contemplação”, sair para explorar o mundo, visitar as cidades que quiser, com todas as despesas pagas.

Ficou interessado? Bem… só um detalhe: para concorrer a bolsa é preciso ter o título de PhD em alguma área de estudo relacionada à arquitetura ou ao urbanismo nos últimos 5 anos, além de pagar uma taxa anual.

Saiba mais sobre este merecido prêmio para quem já estudou muito sobre arquitetura no site oficial da premiação: H. Allen Brooks Travelling Fellowship

Gostou? Aproveite e veja também o Guia da carreira de arquitetura: 6 perguntas que vão mostrar o caminho