Sérgio Rodrigues, o designer que trouxe a identidade brasileira para o mobiliário

sergio-rodrigues

sérgio rodrigues

Contemporâneo de Oscar Niemeyer, Sérgio Rodrigues é uma personalidade importante da história do design e da arquitetura moderna brasileira. Com muita criatividade, ele idealizou peças que traduzem perfeitamente a identidade nacional. Isso ficou evidente tanto nas formas quanto nos materiais por ele empregados. Mas sua maior contribuição para o mercado foram mesmo os móveis voltados à produção industrial.

Sérgio criou mais de mil modelos diferentes. Alguns foram empregados em propostas de interiores para órgãos públicos, como o Palácio da Alvorada e o Itamaraty, em Brasília. Um bom exemplo é a ‘Poltrona Leve Oscar’. No entanto, os dois projetos mais significativos que Sérgio fez em sua carreira foram para a Embaixada do Brasil em Roma e para o fotógrafo Otto Stupakoff, ambos na década de cinquenta.

Veja outros arquitetos que também ficaram famosos por desenhar mobiliário:

Breve biografia do designer Sergio Rodrigues

 

O auge da carreira do designer Sérgio Rodrigues foi entre os anos cinquenta e sessenta. Ele trabalhou com os irmãos Hauner, na Móveis Artesanal Paranaense, em Curitiba.

Depois, chefiou o departamento de criação de arquitetura de interiores da empresa Forma, fabricante internacional de móveis. E, por fim, criou a Oca, um misto de atelier, espaço de produção, galeria de arte e loja – algo nunca antes visto no território brasileiro.

Depois de vender a Oca, em 1968, Sérgio passou a se dedicar a trabalhos em arquitetura de interiores. Nesse tempo, ele realizou novos projetos em Brasília e desenvolveu diferentes linhas de móveis. Em 1974, sua ‘Poltrona Mole’, passou a integrar a coleção do Museu de Arte Moderna de Nova York. Em 2006, ele recebeu o primeiro lugar na categoria mobiliário do ‘Prêmio Design do Museu da Casa Brasileira’, em São Paulo.

sergio-rodrigues-poltrona-mole

sérgio rodrigues: poltrona mole

Dentre as peças mais emblemáticas do designer Sérgio Rodrigues, estão: o ‘Banco Mucki’, a ‘Banqueta Mocho’, a ‘Cadeira Katita’, a ‘Poltrona Diz’, a ‘Poltrona Mole’, entre outras.

sergio-rodrigues-banco-mucki

sérgio rodrigues: banco mucki

sergio-rodrigues-banco-mocho

sérgio rodrigues: banco mocho

sergio-rodrigues-katita

sérgio rodrigues: katita

sergio-rodrigues-poltrona-diz

sergio-rodrigues-poltrona-chifruda

sérgio rodrigues: poltrona chifruda

Entre outras áreas, esta renomada arquiteta brasileira também se dedica ao design de produtos: Fernanda Marques: arquitetura moderna que não sai de moda

Características do trabalho de Sérgio Rodrigues

 

O móvel não é só a figura, a peça, não é só o material de que esta peça é composta, e sim alguma coisa que tem dentro dela. É o espírito da peça. É o espírito brasileiro. É o móvel brasileiro.

– Sérgio Rodrigues.

Sérgio Rodrigues acreditava que todo arquiteto deveria também se dedicar ao planejamento de interiores. Isso incluía, obviamente, o projeto mobiliário. E criar móveis com a “cara do Brasil” virou sua especialidade.

O designer desenvolveu uma linguagem muito particular. Apesar das formas robustas, suas peças ainda parecem modernas. E o mais importante, elas sempre contribuem verdadeiramente para a vida cotidiana dos usuários.

As peças de Sérgio Rodrigues conseguem resgatar o espírito da mobília tradicional e também aspectos do Brasil indígena.

Lúcio Costa.

Os móveis criados por Sérgio refletem as características de uma raiz cultural, de uma “brasilidade”. Algumas peças são tão originais que parecem brincar com o imaginário coletivo. Isso está impresso nas formas, nos volumes e nos materiais empregados. São exemplos as fibras naturais, como o algodão e a palha; as madeiras, como o eucalipto e a imbuia; e outros mais – o que, em parte, remonta ao design colonial brasileiro.

Confira outro clássico do mobiliário moderno: Os segredos da Cadeira Barcelona de Mies van der Rohe e outras mobílias do arquiteto

A Poltrona Mole de Sérgio Rodrigues

 

sergio-rodrigues-na-poltrona-mole

sérgio rodrigues na poltrona mole

A ‘Poltrona Mole’ criada por Sérgio Rodrigues é, certamente, um dos exemplares mais importantes do design brasileiro de mobiliário.

Ela foi projetada especialmente para Otto Stupakoff, em 1957. Seu modelo é composto de peças em couro e madeira jacarandá. Sua sua aparência transmite robustez. Mesmo assim, dispõe de um assento muito confortável – lembra uma cesta, um grande “almofadão”. E é por isso que se adapta tão bem ao corpo humano.

Essa poltrona, por apresentar um visual tão diferente dos padrões vigentes na época de sua criação, demorou em ser aceita pela sociedade. Ninguém a queria comprar. Porém, em 1961, o designer Sérgio Rodrigues a apresentou no ‘IV Concorso Internazionale del Mobile’, em Cantù, na Itália. Ele foi o vencedor desse concurso, indo totalmente contra a opinião pública nacional.

Eu costumo dizer que sou cliente de mim mesmo. Crio como se estivesse fazendo móveis para colocar na minha casa. Não sigo tendências. Faço o que quero o que tenho vontade. Mas imprimo um significado em tudo, uma poesia.

– Sérgio Rodrigues.

Confira outra grande representante da arquitetura brasileira e uma de suas criações memoráveis: A Cadeira Lina Bo Bardi: expressão ideológica e cultural no design de mobílias

Você sabe tudo de mobiliário? E de marketing? Aprenda a divulgar seu escritório fazendo os cursos online do Viva Decora PRO Academy.