Como criar um apartamento decorado inesquecível e atrair mais vendas

Quando visitamos um stand de vendas para conhecer um novo lançamento imobiliário, o que mais chama a atenção é, sem dúvida, o apartamento decorado da construtora.

Ele é o elemento de comunicação mais forte entre o incorporador (responsável pela venda do apartamento) e o cliente.

Através do apartamento modelo, avaliamos se aquele espaço atende às nossas necessidades e expectativas, tornando a experiência de vivenciar os ambientes um dos maiores influenciadores na venda.

Essa é uma área muito interessante para arquitetos de interiores, mas ainda existem muitas dúvidas sobre como realizar esse tipo de projeto.

Neste artigo, vamos explicar como criar um apartamento decorado para construtoras e encantar os clientes. Acompanhe!

Confira mais artigos sobre design de interiores:

Os desafios de um projeto de apartamento decorado para construtora

 

O mercado atual vem apresentado vários desafios ao arquiteto de interiores que buscar atuar nessa área. O primeiro deles é o de tornar o apartamento decorado atrativo a vários tipos de clientes.

Como fazer com que cada visitante se veja morando naquele local? Como atender aos desejos de um cliente único, mas genérico e desconhecido? Como decorar apartamento pequeno? Como demonstrar que todas as necessidades de espaço serão atendidas de forma funcional e elegante? Não é fácil.

Uma das primeiras questões levantadas é o conceito do empreendimento. Quando uma construtora/incorporadora decide comprar um terreno, uma das premissas básicas é a definição do produto.

A construção de uma edificação dá a entender a existência de clientes capazes de atribuir valor a localização, ao tamanho, a disposição dos ambientes, ao programa e aos diferenciais do projeto.

Identificar para quem o empreendimento foi pensado é o ponto de partida para um bom trabalho.

Como identificar quem é o cliente?

 

A construtora/incorporadora é a responsável por essa informação. E é a partir dessa definição que as respostas começam a aparecer. É necessário focar em quem irá viver no espaço que está sendo projetado, suas necessidades, atividades cotidianas, hábitos e desejos.

apartamento decorado clientes

Apartamento decorado: identificando o cliente

Outro aspecto importante é a leitura do local onde o prédio será construído. O entorno pode suprir algumas das necessidades do morador? Essa pergunta é extremamente importante se considerarmos os apartamentos menores.

Quando trabalhamos com apartamento decorado pequeno, muitas vezes precisamos ser restritivos e optar pelo que é indispensável.

Por isso, entender o contexto de todo o empreendimento torna-se tão importante. Por exemplo, priorizar espaços para receber amigos em apartamentos pequenos é um desafio. Mas se no edifício existem locais que atendem a esse programa, passamos a projetar ambientes mais específicos.

Espaços externos moduláveis e salões de festas dimensionados para grandes e pequenos grupos enriquecem a proposta de espaços privados e compartilhados.

Assim, uma sala que acolhe bem até 5 pessoas proporciona opções de layouts diferentes, livres da necessidade de acomodar 6 ou 8 convidados. Criamos, assim, alternativas menos restritivas.

O apartamento modelo não é uma unidade isolada do empreendimento. Ele precisa ser pensado como parte integrante do conjunto, do todo.

Se você se interessa pelo design de interiores em ambiente de venda, também pode gostar de conhecer outro segmento de atuação. Descubra o que é arquitetura promocional e por que ela está crescendo no Brasil.

Como inovar em um apartamento decorado pequeno?

 

Um conceito sempre presente nos programas de necessidades é a inovação. Mas a inovação não precisa, necessariamente, ser sinônimo do uso de tecnologias caras.

Inovar pode significar criar novas respostas a situações do cotidiano. A introdução de novos usos para espaços convencionais pode ser uma proposta muito interessante e valorizada.

Um ótimo exercício é avaliar o uso dado a elementos presentes em todos os tipos de imóvel. Lavanderias são um exemplo.

Nos apartamentos de áreas reduzidas, esse espaço muitas vezes inexiste na prática, embora as plantas baixas indiquem sua presença. Já os tanques, tão enraizados na própria definição de área de serviço, estão sempre presentes.

A inovação pode estar na releitura desse espaço, criando alternativas contemporâneas para propostas onde cada m² tem um grande valor. Possibilitar o cultivo de uma pequena horta através de paredes verdes, ou mesmo um lugar especial para um pet, podem agregar muito.

Você também pode apostar na decoração do banheiro usando cores e materiais diferentes.

apartamento decorado horta na lavanderia

Apartamento decorado: Horta na lavanderia

É claro que a tecnologia facilita, e muito, a otimização de espaços pequenos. Mas não podemos tornar essa opção uma necessidade. Projetar espaços para serem usados apenas a partir de soluções tecnológicas, não entregues pelas construtoras, é um problema.

Como criar apartamentos decorados multifuncionais?

 

Quando projetamos um apartamento decorado pequeno, precisamos evitar um programa muito diverso de possibilidades. Em outras palavras, é saudável projetar espaços que permitam vários usos.

Apesar dessa necessidade, infelizmente, a leitura dessas diversas opções é difícil durante a visita a um plantão de vendas.

Nem sempre os clientes têm muito tempo para analisar as variáveis de uma decoração que permite múltiplos usos. Muitas vezes, quem acompanha o cliente também não tem esse conhecimento e não consegue chamar a atenção para uma variedade de diferenciais.

Neste sentido é importante entender o timming da experiência da visitação. Um projeto que permita uma leitura direta pode representar uma vantagem na venda.

Então o apartamento decorado pequeno precisa ter um programa óbvio? De forma alguma. Um apartamento de 2 dormitórios não precisa apresentar o segundo quarto com um layout de dormitório infantil para que o programa seja compreendido pelo cliente.

O uso alternativo está presente e é explorado na decoração através da criação de novas propostas ao que todos têm como senso comum.

Um escritório, ou atelier, por exemplo, conferem ao projeto um aspecto temporal. Ele indica usos que podem evoluir com o tempo. Um casal sem filhos, por exemplo, é capaz de reconhecer a possibilidade futura de uma modificação no uso do ambiente.

apartamento decorado escitorio

Apartamento decorado: escritório

Essa é uma ferramenta muito importante como argumento de venda. Sim, pois a comercialização da unidade, o real motivo da utilização do apartamento modelo, não pode ser esquecida.

Demonstrar, pela ousadia e novas propostas, que espaços consagrados no modelo coletivo de planta podem ser lidos de outra forma é um diferencial muito valorizado. Ele traz consigo o conceito de continuidade.

Um apartamento que possibilita opções de uso diferentes pode ser a resposta para um aproveitamento mais longo do imóvel e, logo, resulta em uma decisão de investimento.

Se um espaço pode acompanhar a mudança dos hábitos e necessidades de quem vive nele, ele permanece adequado por mais tempo.

E já que estamos falando sobre a evolução dos espaços, aproveite para saber mais sobre a história do design de interiores, desde a Idade da Pedra até os dias de hoje:

banner-cta-infografico-historia-do-design

Como tornar a visita ao apartamento decorado uma experiência inesquecível?

 

É responsabilidade do arquiteto ou do designer de interiores tornar a experiência da visita ao apartamento decorado algo marcante.

Como fazer com que o cliente não esqueça dos ambientes propostos? Principalmente se considerarmos que ele pode visitar vários decorados em um mesmo dia?

Uma boa sugestão é trabalhar explorando o direcionamento do foco de atenção do visitante. É impressionante analisarmos as visitas feitas ao decorado. As pessoas costumam entrar no apartamento e direcionarem seu olhar sempre para os mesmos pontos.

Faça esta experiência: convide amigos para visitarem um protótipo e analise para onde os olhares se dirigem. Mas essas pessoas não podem ser arquitetos ou designers de interiores, pois o olhar de profissionais da área é bem diferenciado e não deve ser considerado na escolha dos pontos de interesse gerais.

Analise tanto o momento da chegada aos espaços como a saída.

Esse exercício é chave para a definição dos pontos focais. Depois, é só explorar esses pontos de forma criativa e inteligente. Certamente, a chance de o cliente guardar essa informação é muito maior. Muitas vezes, essa será a imagem, a lembrança, que norteará a opção de compra.

Como sabemos, a maioria das decisões de aquisição não ocorre de imediato. Clientes em potencial procuram opções e são impactados de várias formas. Mas lembrar de um detalhe marcante em um apartamento pode ser um diferencial na escolha do imóvel. Aproprie-se desta ferramenta.

As variáveis no tratamento de apartamentos decorados pequenos são muitas. E poder explorar esse universo torna-se cada vez mais fascinante, principalmente se lembrarmos que junto de uma decisão de compra existe um sonho.

Cada cliente é um universo independente e único, mas seu desejo pode ser acolhido por um trabalho cuidadoso e dedicado, que irá influenciar de forma decisiva a visão das possibilidades de um imóvel.

E já que estamos falando da decoração de ambientes menores, veja também 4 dicas para aproveitar melhor a cozinha com espaço pequeno.

Este post foi escrito por Jaqueline Milstein, proprietária da Milstein Business Management, empresa especializada em Negócios e Incorporação Imobiliária.