Walter Gropius: o arquiteto que criou a Bauhaus e revolucionou a arquitetura moderna

Walter Gropius foi um arquiteto alemão, naturalizado americano, considerado um dos principais nomes da arquitetura no século XX.

Ele foi o fundador da Bauhaus, escolha de design e arquitetura que marcou a arquitetura moderna e é reverenciada até hoje.

Mesmo com tanto reconhecimento, as obras de Walter Gropius não são tão conhecidas como as de seus contemporâneos, como Le Corbusier.

Por isso, no post de hoje, vamos contar sua história e apresentar seus principais projetos. Curioso? Então, vamos lá!

Walter Gropius: biografia

Walter Gropius nasceu na Alemanha, no dia 18/05/1883.

Pode-se dizer que o talento para a arquitetura foi herdado de sua família.

Quando Walter Gropius veio ao mundo, seu tio-avô, Martin Gropius, já havia construído uma das mais belas obras da Alemanha: o espaço de exposições conhecido hoje como Martin Gropius Bau.

Mas Walter Gropius teve um longo caminho de estudos e experiência até tornar-se um dos ícones da arquitetura mundial.

Walter Gropius posa em frente imagem de edifício

Walter Gropius posa em frente imagem de edifício

Walter Gropius estudou arquitetura e urbanismo em Munique e, de 1908 a 1910, trabalhou como assistente de Peter Behrens, o único grande arquiteto alemão da geração anterior a sua.

No mesmo ano em que finalizou os estudos, Walter Gropius abriu seu escritório de arquitetura.

Foi lá que ele realizou dois grandes projetos que marcaram sua produção anterior à Primeira Guerra: a fábrica Fagus e um projeto de fábrica para a exposição do Werkbund de 1914, em Colônia (Alemanha).

Em 1915, Walter Gropius casou-se com Alma Mahler, de quem veio a separar-se oito anos mais tarde.

Após a primeira Guerra Mundial, Walter Gropius voltou como oficial altamente condecorado e participou do chamado Grupo de Novembro, que tinha como propósito absorver os impulsos da revolução de novembro de 1918, que derrubou a monarquia na Alemanha.

Foi nesse contexto de mudança que nasceu a Bauhaus.

Como foi o surgimento da Bauhaus?

Após o fim da Primeira Guerra Mundial, um grupo reduzido de profissionais das mais variadas atividades artísticas e técnicas lançou o Manifesto da Bauhaus.

Liderado por Walter Gropius, esse movimento modernista tinha como objetivo criar uma aliança entre duas áreas que, até então, caminhavam separadas: a arte e a indústria.

De um lado estavam os artistas, que recebiam todo o reconhecimento e status e produziam no tempo que a arte demandava.

Do outro estavam os artesãos, que tinham um método de trabalho mais hábil, mas não tinham a mesma valorização de suas obras.

Para mudar essa realidade e unir o melhor dos dois mundos, em 1919, Walter Gropius determinou a junção de duas escolas que existam em Weimar: Escola de Artes e Ofícios (a Kunstgewerbeschule) e a Escola de Belas Artes (a bildende Kunst).

A partir dessa junção, nasce a Staatliches Bauhaus, ou simplesmente Escola da Bauhaus, instalada no edifício de Van der Velde.

Walter Gropius: fachada da Bauhaus

Walter Gropius: fachada da Bauhaus

Sob a direção de Walter Gropius, a Bauhaus tornou-se uma escola de arte, desenho e arquitetura.

Lá os alunos tinham contato com materiais e técnicas que aplicava a tecnologia no processo artístico, dando origem a peças e obras modernas.

Só para citar um exemplo de peça criada na Bauhaus, temos a cadeira Barcelona, desenvolvida por Ludwig Mies van der Rohe e Lily Reich em 1929.

Walter Gropius: cadeira Barcelona foi criada na Bauhaus

Walter Gropius: cadeira Barcelona foi criada na Bauhaus

A Bauhaus de Walter Gropius chamou a atenção de muitos jovens, que vinham de várias cidades atraídos pela instituição que prometia “conceber e criar a nova estrutura do futuro”, como dizia o manifesto.

Em fevereiro de 1925, a Bauhaus é transferida de Weimar para a cidade de Dessau. O motivo da transferência é que o governo da região mostrou-se abertamente hostil aos propósitos da escola.

Quer saber tudo sobre a história da Bauhaus? Confira nosso post especial: Bauhaus – a escola que revolucionou a arquitetura moderna

O fechamento da Bauhaus e o exílio de Walter Gropius

Em 1933, o governo Nazista decide fechar a Bauhaus por considerar o movimento modernista “coisa de comunista”.

Diante desse contexto, Walter Gropius é obrigado a deixar a Alemanha em 1934.

De início, ele vai para a Inglaterra, onde começa a projetar fábricas e projetos estatais.

Walter Gropius também cria projetos residenciais e escolares juntamente com o inglês Maxwell Fry – foram obras que influenciaram bastante a arquitetura local.

Em 1937, Walter Gropius recebe um convite para lecionar na Escola de Arquitetura da Universidade de Harvard nos Estados Unidos. No ano seguinte, ele torna-se diretor do departamento, cargo em que permaneceu até 1952.

Foi nesse período nos EUA que Walter Gropius realizou a maior parte de sua obra e seus melhores trabalhos, entre eles o Harvard Graduate Center (1949-1950).

Walter Gropius, que tornou-se cidadão americano em 1944, regressou à Alemanha para se encarregar de alguns projetos, como o da fábrica de porcelana Rosenthal, em Selb (1963-1967), e o da cidade de Gropius, em Berlim (1964-1968).

O arquiteto faleceu em Boston, em 1969.

O dia em que Walter Gropius tirou Oscar Niemeyer do sério

Uma curiosidade sobre Walter Gropius foi sua visita ao Brasil para participar como jurado na 2ª Bienal de São Paulo, em 1953.

Na ocasião, ele visitou a famosa Casa das Canoas, de Oscar Niemeyer. Mas diferente de muitos admiradores, Walter Gropius não gostou do que viu.

Walter Gropius: Casa das Canoas, de Oscar Niemeyer, foi criticada pelo arquiteto

Walter Gropius: Casa das Canoas, de Oscar Niemeyer, foi criticada pelo arquiteto

Precursor do funcionalismo e opositor do individualismo na arte, Walter Gropius afirmou a Niemeyer: “Sua casa é bonita, mas não é multiplicável”.

Em entrevista ao jornal Correio Braziliense, Oscar Niemeyer comentou o ocorrido:

“(…) Ele foi na minha casa nas Canoas, subiu comigo e disse a maior besteira que já ouvi: “Sua casa é muito bonita, mas não é multiplicável”. Pensei: que filho da puta! Para ser multiplicável teria que ser em terreno plano, teria que procurar um terreno igual e meu objetivo não era uma casa multiplicável, era uma casa boa para eu morar”

– Oscar Niemeyer sobre Walter Gropius, em entrevista ao Correio Braziliense

As principais obras de Walter Gropius

Agora que você conheceu a biografia de um dos arquitetos mais importantes da história, veja quais são as principais obras de Walter Gropius:

  • Fábrica Fagus
Principais Obras de Walter Gropius: Fábrica Fagus

Principais Obras de Walter Gropius: Fábrica Fagus

  • Gropiusstadt (ou Cidade de Gropius)
Principais Obras de Walter Gropius: Gropiusstadt ou Cidade de Gropius

Principais Obras de Walter Gropius: Gropiusstadt ou Cidade de Gropius

  • Impington Village College
Principais Obras de Walter Gropius: Impington Village College

Principais Obras de Walter Gropius: Impington Village College

  • Harvard Graduate Center
Principais Obras de Walter Gropius: Harvard Graduate Center

Principais Obras de Walter Gropius: Harvard Graduate Center

  • Arquivo da Bauhaus
Principais Obras de Walter Gropius: arquivo da Bauhaus

Principais Obras de Walter Gropius: arquivo da Bauhaus

  • Casa Gropius
Principais Obras de Walter Gropius: Casa Gropius

Principais Obras de Walter Gropius: Casa Gropius

E aí, qual foi a obra de Walter Gropius que mais chamou sua atenção? Compartilhe com a gente nos comentários!