Qual é a relação entre o International Style e a arquitetura moderna?

Não é à toa que o Estilo Internacional, ou International Style, como normalmente é chamado, está relacionado à arquitetura moderna.

Batizado na primeira exposição de arquitetura moderna no MOMA NY em 1932, o conceito  em questão nasceu juntamente com a publicação do livro The International Style: Architecture since 1922, escrito pelos arquitetos Henry-Russel Hitchcock e Philip Johnson.

O Getty Research Institute define o International Style como o “estilo arquitetônico que emergiu na Holanda, França e Alemanha após a Primeira Guerra Mundial e se espalhou por todo o mundo, tornando-se o estilo arquitetônico dominante até a década de 1970”.

Saiba mais sobre estilos arquitetônicos que mudaram a história:

Entendendo o cenário do International Style

 

Como você já sabe, o conceito de International Style foi criado em 1932, ano que (coincidentemente) antecedeu o fechamento dos 14 anos de Bauhaus.

Nessa mesma época, quem dominava o resto da Europa era o Art Déco que, com seus detalhes pomposos, preencheu países como Portugal, França e, posteriormente, Estados Unidos.

Foi aí que começou o modernismo.

Agora você deve estar se perguntando: onde é que o International Style se encaixa?

É simples: um dos princípios básicos do modernismo é a rejeição de tudo o que poderia fazer menção aos outros estilos. O importante, aqui, é “esquecer” arquitetura anterior ao movimento.

Logo, “produzir uma arquitetura sem ornamentos” é o ponto de partida para tudo o que está por vir. Além disso, é neste cenário que a ideia de industrialização ganha força. E também a de design.

O uso do vidro e do aço está em ascensão.

Um exemplo de obra famosa que representa o International Style é o Seagram Building, de Mies Van der Rohe.

International Style: Seagram Building

International Style: Seagram Building

Um arquiteto moderno, então, seria aquele profissional responsável por entregar construções que unem perfeitamente economia, funcionalidade, limpeza e, é claro, design. Afinal, menos é mais!

O International Style nada mais é do que essa vertente na Europa.

Estilo internacional: características

 

Já deu para sentir um pouco do que vem por aí, não é?

No International Style, o abstrato, o geométrico e o mínimo ganharam força.

Lembra que os ornamentos deveriam ser extintos? É isso mesmo. Aqui quem protagoniza são as texturas superficiais e as formas abstratas.

E por falar em ornamentação, saiba que a perfeição técnica entrou em seu lugar.

Os espaços amplos, definidos por planos levemente demarcados, também têm sua vez, assim como o contato com o ambiente externo.

Começaram a nascer as construções sobre pilotis, aquelas suspensas, os terraços-jardim e as fachadas livres de estruturas. Aqui, os pilares são projetados dentro da construção, abolindo qualquer tipo de ornamentação.

Além disso, as janelas em fita, de um ponto a outro da fachada, valorizam a iluminação solar.

A regularidade é vista em fachadas e ambientes que antes eram regidos pela simetria.

A flexibilidade na planta e o cuidado nas proporções também são pontos bem especiais. Isso porque ele justamente nasceu do incômodo dos arquitetos da época em relação à industrialização acelerada, e traz superfícies mais planas e alternadas com áreas de vidro.

8 características do International Style

 

  • Formas abstratas e geométricas
  • Ambientes amplos
  • Janelas em fita
  • Pilotis
  • Terraços-jardim
  • Planta flexível
  • Uso do aço e do vidro
  • Predominância do branco

Mies Van der Rohe e o International Style

 

Se existe um arquiteto que é sinônimo do International Style, ele com certeza foi Mies Van der Rohe.

Sob o preceito de “less is more” (menos é mais), Mies Van der Rohe deixou como marca uma arquitetura que preza pela clareza e a aparência de ser simples.

É que para ele, os espaços arquitetônicos tinham que seguir as necessidades impostas pelo ambiente onde estavam sendo projetados.

Em seus projetos, grandes referências da era industrial, como o aço e o vidro tomavam conta do ambiente na medida certa.

Professor da Bauhaus, escola que precedeu o movimento, deixou como legado verdadeiros ícones da arquitetura, como o Pavilhão Alemão na Feira Mundial de Barcelona e a casa Farnsworth, dois grandes exemplos do International Style.

Pavilhão Alemão na Feira Mundial de Barcelona

 

International Style: Pavilhão Alemão

International Style: Pavilhão Alemão

Uma das obras arquitetônicas mais significativas da história, o Pavilhão Alemão também é um dos maiores exemplares do International Style.

Construído para a Feira Mundial de 1929, em Barcelona, era um espaço para a recepção de pessoas do alto escalão, como o rei e a rainha, enquanto o governo Weimar já possuía outro local para exposições reais.

O espaço é tão importante que, mesmo demolido após a feira, foi reconstruído na década de 80, sob os planos originais, inclusive no mesmo local.

Ele constitui a afirmação mais simples sobre o que Mies Van der Rohe acreditava ser o conjunto de requisitos mínimos para definir o espaço: “um punhado de colunas elevadas sobre uma plataforma justapostas com planos de parede opacos e transparentes assimetricamente dispostos, sustentando um telhado plano”.

E ainda sob a ótica “menos é mais”, vale ressaltar o contraponto entre o minimalismo da horizontalidade e a plataforma de Travertino, pedra comum em monumentos clássicos, assim como nos templos gregos.

Para completar, suas colunas de aço crucifixo são cromadas e as paredes de ônix coloridas expõe o padrão de diamante.

Vale lembrar que foi neste pavilhão que nasceu a poltrona Barcelona, símbolo de ergonomia e ícone do movimento moderno.

Outros precursores do International Style

 

Le Corbusier

 

Grande talento do século XX, Le Corbusier era famoso por suas formas e estruturas claras, que correspondiam à arquitetura e design.

Além disso, preferia desenhar a falar e também era pintor e escultor.

Foi o autor da seguinte citação: “você utiliza pedra, madeira e concreto, e com esses materiais constrói casas e palácios. Isso é construção. A engenhosidade está em ação”.

Entre suas contribuições para o International Style destacam-se a Villa Stein, a Penthouse de Carlos de Beistegui e a Villa Savoye, todas na França.

International Style: Villa Savoye

International Style: Villa Savoye

Finalizada em 1931 e construída inteiramente a partir de aço, concreto e vidro, a Villa Savoye foi uma das últimas obras de Le Corbusier.

Projetada em meados dos anos 20, ela traz várias inspirações nos meios de transporte que preenchiam o seu olhar.  Não é à toa que seu arquiteto a nomeou como “máquina para viver”.

Em sua base, os pilotis são colocados em uma grade quase perfeita, oferecendo ao arquiteto uma liberdade quase completa nos projetos de planta baixa e fachadas.

Já o segundo andar, que é o espaço principal, é caracterizado pelas janelas de fita, proporcionando uma vista quase panorâmica da paisagem. Nela, a natureza e a “máquina” vivem em perfeita harmonia.

O terraço no telhado surge como a cereja do bolo. Ele possui uma parede escultural com formas que parecem chaminés de um transatlântico. Seria uma verdadeira embarcação em meio ao gramado vibrante?

Walter Gropius

 

Walter Gropius foi o arquiteto alemão fundador da Bauhaus. Confira algumas de suas obras que influenciaram no International Style:

International Style: Fagus Factory

International Style: Fagus Factory

International Style: Bauhaus

International Style: Bauhaus

International Style: City Employment Office

International Style: City Employment Office

Influência do International Style no Brasil

 

A cartilha do Estilo Internacional demorou para chegar ao Brasil, e talvez seja por isso que poucas construções o sigam à risca.

Para se ter ideia, ela só chegou aqui nos anos 60, 10 anos após já ser implantada a ideia do brutalismo e do expressionismo mega-estrutural.

Só para você ter uma ideia, um dos maiores exemplos do estilo no Brasil é o Edifício Avenida Central, no Rio de Janeiro.

Finalizado em 1961, ele foi projetado por Henrique Mindlin e foi uma verdadeira revolução ao implementar a estrutura metálica no Brasil.

International Style: Edifício Avenida Central

International Style: Edifício Avenida Central

Projetos do Estilo Internacional de Arquitetura no Brasil

 

  • Edifício Seguradora Brasileira, de Rino Levi
International Style: Edifício Seguradora Brasileira

International Style: Edifício Seguradora Brasileira

  • Edifício Conde Prates, de Giancarlo Palanti
International Style: Edifício Conde Prates

International Style: Edifício Conde Prates

  • Edifício Itália, de Franz Heep
International Style: Edifício Itália

International Style: Edifício Itália

E aí, qual é a sua obra favorita de International Style? Compartilha com a gente nos comentários!

*Texto por Maria Luisa Issa Koester