Descubra o que é memorial descritivo e tudo o que você precisa incluir nele

Quando falamos sobre as etapas de um projeto de arquitetura, a primeira imagem que vem à cabeça de muitos são várias plantas e maquetes 3D.

Sem dúvida esses materiais são o coração do projeto, mas existem outros documentos que também são essenciais. Um deles é o memorial descritivo.

Ele faz parte do projeto executivo e traz informações detalhadas que ajudam a colocar em prática tudo o que o arquiteto idealizou.

Não sabe como começar um memorial descritivo? Não se preocupe, neste artigo, vamos explicar com detalhes a importância do documento e dar 4 dicas para criá-lo do jeito certo. Acompanhe!

Veja mais dicas sobre projetos de arquitetura:

O que é memorial descritivo?

 

O que é memorial descritivo?

O que é memorial descritivo?

Memorial descritivo é um documento que traz com detalhes os objetivos, etapas, recomendações e materiais necessários para a realização de uma obra.

De acordo com a Lei 4.591/64 ele é obrigatório em empreendimentos de construção civil e toda pessoa interessada em comprar um imóvel na planta tem o direito de solicitá-lo.

No caso de edificações, o manual descritivo deve seguir a ABNT/NBR 15575 (Norma de Desempenho de Edificações Habitacionais). Ela determina uma série de condições para que o projeto seja executado com segurança.

Veja abaixo alguns informações que devem constar no documento de acordo com a ABNT:

  • localização da obra
  • proprietário
  • detalhe de cada etapa da construção
  • alvenaria
  • acabamento
  • conceituação do projeto
  • normas adotadas para a realização dos cálculos
  • premissas básicas adotadas durante o projeto
  • objetivos do projeto
  • detalhamento de materiais empregados na obra ou no produto
  • demais detalhes que podem ser importantes para o entendimento completo do projeto

Vale lembrar que existem vários tipos de memoriais descritivos, por exemplo:

  • memorial descritivo residencial
  • memorial descritivo comercial
  • memorial descritivo para execução de piscina
  • memorial descritivo de desmembramento
  • memorial descritivo de unificação
  • memorial descritivo de residência para demolição
  • memorial de tanque séptico e fossa

Qual é a importância de um memorial descritivo de arquitetura?

 

Esse documento é essencial tanto para os responsáveis pela execução do projeto como para o cliente.

É nele que vão estar especificadas atividades que não podem ser descritas por meio do desenho técnico, por exemplo: de que forma as paredes devem ser pintadas, os cuidados para evitar danos nos acabamentos, a ordem das atividades no local, entre outras.

Quando mais completo estiver esse detalhamento, mais fácil será o gerenciamento da obra. Dessa forma, é possível evitar erros e os atrasos na entrega.

Além disso, o documento também precisa ser entregue ao órgão responsável de cada cidade para conseguir a aprovação da obra.

Em relação ao cliente, o memorial descritivo de arquitetura serve como um comprovante legal de tudo o que foi prometido.

Memorial descritivo: segurança para o cliente

Memorial descritivo: segurança para o cliente

Com esse documento em mãos, ele sente-se mais seguro por ter o planejamento e saber todos os materiais que estão sendo utilizados na obra.

Ainda tem dúvidas sobre gestão de obra? Receba nosso material e aprenda de forma clara e didática tudo sobre o que você precisa saber:

Como começar um memorial descritivo de arquitetura?

 

Conforme já citamos, um memorial descritivo de arquitetura tem alguns tópicos padrões de acordo com a ABNT. Porém cada arquiteto pode incluir mais informações se considerar necessário.

Para facilitar, imagine que o documento é a versão escrita das suas plantas. Você deve detalhar qual é o processo e os materiais utilizados para chegar até o resultado mostrado no desenho.

Memorial descritivo: descreva a planta

Memorial descritivo: descreva a planta

Veja um exemplo do que incluir no seu memorial descritivo de arquitetura:

1- Dados da Obra
2- Equipe Técnica
3- Considerações Gerais
4- Preliminares
5- Fundações
6- Estrutura
7- Paredes
8- Esquadrias
9- Vidros
10- Cobertura
11- Tratamento e impermeabilizações
12- Revestimentos
13- Soleiras e Peitoris
14- Forro
15- Pintura
16- Pavimentação
17- Louças e metais
18- Instalações Hidrossanitárias de Pluviais
19- Instalações elétricas
20- Mobiliário
21- Limpeza da obra

Cada tópico pode ser desmembrado em subtópicos que explicam os objetivos de cada etapa, os processos, os materiais, entre outras informações.

Após a finalização do memorial descritivo, o documento deve ser registrado em cartório.

Existe memorial descritivo de design de interiores?

 

Sim! O memorial descritivo de design de interiores segue os mesmos princípios que vimos até agora.

Mas diferente do documento criado para edificações, não existe nenhuma norma ABNT que determine as informações que devem ser incluídas.

Veja um exemplo do que pode ser incluído no seu memorial descritivo de design de interiores:

  • Dados da obra
  • Objetivos
  • Materiais
  • Revestimentos
  • Louças
  • Metais
  • Tintas
  • Mobiliário

Você ainda pode incluir fotos de exemplo de todos os tópicos, facilitando a compreensão do cliente e de quem vai executar a reforma.

Memorial descritivo: dicas

 

Agora que você já sabe o que é esse documento e como começá-lo, confira 4 dicas que vão facilitar o seu trabalho:

1 – Pesquise memoriais descritivos na internet

 

Memorial descritivo: pesquise na internet

Memorial descritivo: pesquise na internet

Existem vários exemplos de documentos disponíveis na internet que podem trazer inspiração na hora de escrever.

Além de projetos comuns de construção e reforma, você pode se deparar como memoriais descritivos que marcaram a história da arquitetura brasileira.

Um exemplo é o Memorial do Plano Piloto de Brasília, escrito por Lúcio Costa.

2 – Use uma linguagem formal

 

Lembre-se que o memorial descritivo é um documento profissional, por isso deve ser escrito com uma linguagem formal e técnica.

Por exemplo: em vez de usar termos como “eu pensei na solução”, prefira “essa solução foi pensada para”.

Também procure evitar adjetivos na hora de detalhar características do projeto, pois além de ser desnecessário pode passar uma imagem de soberba.

3 – Leia bastante!

 

Memorial descritivo: leia bastante

Memorial descritivo: leia bastante

Não é fácil escrever conteúdos tão extensos e detalhados, não é mesmo? Sabemos que, muitas vezes, pode faltar ideias ou até mesmo as palavras certas na hora de explicar um projeto.

Por isso é importante cultivar o hábito de ler. Ter um bom repertório de informações ajuda na hora de desenvolver um texto e transmitir ideias.

4 – Conte com a ajuda de profissionais de conteúdo

 

O memorial descritivo é um texto longo e detalhado e, por isso, deve ser redigido com cuidado.

Mesmo que você tenha todo o conhecimento do projeto e saiba passá-lo para o papel, sempre pode passar algum erro no texto.

Isso é normal, afinal, arquitetos não são especialistas em produção de conteúdo. Por isso, conte com a ajuda de revisores de texto para finalizar o documento.

Além do memorial descritivo, diversas atividades feitas por arquitetos são regulamentadas pela ABNT. Conheça algumas delas: