Tudo sobre o estilo exótico e surpreendente da arquitetura russa

Arquitetura russa: Catedral de São Basílio

Arquitetura russa: Catedral de São Basílio

As obras arquitetônicas desenvolvidas ao longo da história só puderam ser erguidas graças a estudos aprofundados sobre padrões estéticos, design, sistemas construtivos, materiais, entre outros.

Mas, de todos os períodos da humanidade, o século XX foi o que apresentou diferenças mais impressionantes em termos de estruturas.

As evoluções e revoluções da arte russa são um claro um exemplo.

Todos os anos, milhares de turistas visitam esse país ao norte da Eurásia. Um dos motivos é a arquitetura russa, muito enigmática para os ocidentais.

Seus palácios, igrejas, monastérios e teatros antigos, além dos edifícios modernos, estão entre as construções mais bonitas do mundo.

É muito comum que turistas se emocionem ao ver a Catedral de Santa Sofia, em Novgorod, ou o Mercury City Tower, em Moskva.

Não deixe pesquisar também em nosso blog outros estilos de arquitetura como arquitetura mexicana e asiática.

arquitetura-russa-catedral-santa-sofia

Arquitetura Russa: Catedral de Santa Sofia

A evolução da Arquitetura Russa

 

A arquitetura russa não teve influências de movimentos europeus. Sua formação se deu com o estilo bizantino, durante a Idade Média.

Nesse tempo, as edificações apresentavam características estéticas clássicas, greco-romanas e orientais.

Havia uma ampla utilização de cúpulas e torres, e as fachadas não apresentavam decoração – ao contrário dos interiores que eram ornados de maneira ostensiva.

O ápice do estilo bizantino na arquitetura russa foi entre os séculos X e XVI. Depois disso, a arte local foi afetada por outras correntes.

Pode-se dizer que a sua história é dividida em cinco períodos distintos, seguindo uma ordem cronológica.

Influências históricas sobre a arquitetura russa:

 

  • Cristianização da Rússia;
  • A fundação de São Petersburgo;
  • A Revolução Socialista;
  • A experimentação modernista;
  • O pós-guerra.

1 – Primeiro Período | Bizantino

 

arquitetura-russa-igreja-desiatinaia

Arquitetura russa: Igreja Desiatinaia

Com a cristianização da Rússia, no ano de 988 d.C., a arte bizantina tornou-se dominante.

Havia também uma clara influência cultural de povos que habitavam terras onde, hoje, está a Bulgária, a Geórgia e a Armênia.

As igrejas, por exemplo, apresentavam uma planta baixa em forma retangular, com uma cruz inscrita no centro. E suas cúpulas eram sustentadas por pilares.

Conheça outras igrejas fantásticas ao redor do mundo em nosso post sobre arquitetura sacra.

Obras do período bizantino:

 

  •  Catedral da Dormição;
arquitetura-russa-catedral-da-dormicao

Arquitetura russa: Catedral da Dormição

  • Igreja de Neredista;
arquitetura-russa-igreja-de-neredista

Arquitetura Russa: Igreja de Neredista

  • Igreja da Assunção.
arquitetura-russa-igreja-da-assuncao

Arquitetura Russa: Igreja da Assunção

Cinco séculos depois, o príncipe de Moscou, Ivan III, encomendou trabalhos de arquitetos e artesãos europeus, como Aristotele Fioravanti.

Mas, este foi um caso excepcional. Apenas com o Czar Pedro I, o Grande, é que a contratação de profissionais da Europa se tornou comum.

Artistas de regiões da Holanda, Alemanha, França e Itália realizaram os projetos mais ambiciosos de seu Império.

arquitetura-russa-palacio-petergof

Arquitetura russa: Palácio Petergof

2 – Segundo Período | Petersburguês

 

A fundação de São Petersburgo, no século XVIII, marcou o início do segundo período da arquitetura russa.

Esse foi o tempo em que se construíram alguns dos edifícios mais magníficos do país. Os artistas passaram a elaborar projetos em estilos como barroco e rococó – o que culminou na criação do “estilo russificado”.

As principais características das edificações eram a monumentalidade e as cores.

Obras do período petersburguês:

 

  • Os palácios de Catarina, das Facetas e de Inverno;
arquitetura-russa-palacio-de-catarina

Arquitetura Russa: Palácio de Catarina

  • Catedral de São Basílio;
arquitetura-russa-catedral-de-sao-basilio

Arquitetura Russa: Catedral de São Basílio

  • O Convento Smolny;
arquitetura-russa-convento-smolny

Arquitetura Russa: Convento Smolny

  • A Academia de Belas-Artes;
arquitetura-russa-academia-de-belas-artes

Arquitetura Russa: Academia de Belas – Artes

  • O Almirantado;
arquitetura-russa-almirantado

Arquitetura Russa: Almirantado

  • O novo Hermitage.
arquitetura-russa-hermitage

Arquitetura Russa: Hermitage

Também devem ser destacadas as obras do arquiteto Konstantin Thon, como a Estação Ferroviária Leningradsky e o Grande Palácio de Kremlin.

arquitetura-russa-estacao-leningradsky

Arquitetura Russa: Estação Leningradsky

arquitetura-russa-kremlin

Arquitetura Russa: Kremlin

Ao mesmo tempo em que São Petersburgo adotava novos estilos, Moscou começava a se afastar do estilo bizantino.

Em 1703, arquitetos italianos, franceses e alemães desenvolveram projetos na capital adotando princípios renascentistas, mas numa linha mais nacionalista.

Infelizmente, muitos palácios e edifícios por eles construídos foram destruídos na Segunda Guerra Mundial.

3 – Terceiro Período | Soviético

 

No início do século XX, a Rússia se desenvolvia a margem de qualquer influência externa. Mas, paralelismos ocorreram eventualmente.

Em 1917, na Revolução Socialista, os movimentos de vanguarda já haviam se difundido em seu território.

Tinha-se um desejo de traduzir as novas ideias através das artes. Começou com o simbolismo e evoluiu para o construtivismo – além de outras teorias.

O construtivismo russo

 

arquitetura-russa-construtivismo-russo

Arquitetura russa: Construtivismo russo

O construtivismo russo foi um movimento iniciado a partir de 1919, que marcou o começo do terceiro período da arquitetura russa.

O pensamento tradicional quanto à natureza dos objetos, às regras de composição, e muito mais, foi colocado em dúvida.

Os artistas dessa época negaram a arte pura e desejaram abolir a ideia de que seu trabalho abordava um mundo separado do cotidiano.

Essa renovação atingiu também a arquitetura. Os projetos assumiram uma perspectiva nova.

Eles passam a ser mais vinculados à agitação popular, à luta das massas trabalhadoras e seus ideais políticos revolucionários marxistas.

Prevalecia a urgência da coletividade e da ordem. E as artes eram o veículo de comunicação dessa mensagem. Novas atitudes traduzidas em novos edifícios!

Os revolucionários entendiam que a arquitetura, sendo uma arte ligada à sociedade, tinha bases suficientes para promover os objetivos revolucionários.

E se havia uma revolução social, poderia haver uma revolução arquitetônica!

Nesse período houve a retomada de alguns conceitos da tradição clássica para glorificar o espírito da Revolução.

Volumes gigantescos eram produzidos através de formas puras, mas em composições “impuras” e torcidas.

Pouco-a-pouco as geometrias tornaram-se mais e mais irregulares, mais e mais radicais. Era uma mudança ideológica tão extrema que acabou marginal.

Alguns consideraram as obras do construtivismo russo como uma fonte de inspiração. Outros, como um slogan demasiadamente inflamado, uma “arte-aberração”.

Mas, não há dúvidas de que os experimentos formais de arquitetos como Tatlin, Rodchenko e Krinskíi agregaram muito conhecimento à humanidade.

Obras do período construtivista:

 

  • O Monumento à Terceira Internacional de Vladimir Tatlin;
arquitetura-russa-monumento-a-terceira-internacional

Arquitetura russa: Monumento à Terceira Internacional

  • A Torre de Radio de Moscou de Vladimir Shujov;
arquitetura-russa-torre-de-radio-de-moscou

Arquitetura russa: Torre de rádio de Moscou

4 – Quarto Período | Modernismo e Estilo Stalinista

 

O movimento construtivista ficou ativo até 1934. Na queda do regime soviético, muitas propostas suas acabaram abandonadas.

Mesmo assim, alguns artistas ainda permaneceram seguindo as ideias stalinistas.

No mesmo ano, o Congresso dos Escritores determinou que a única forma de arte que deveria ser admitida na URSS era o Realismo Socialista.

A partir dos anos trinta, as experimentações modernistas deram lugar ao classicismo monumental e decorativo.

Trabalhos de profissionais como Ivan Joltovski e Zinovi Rozenfeld demonstravam a volta às tradições e ao nacionalismo russo.

Obras do Quarto Período

 

  • Triumph Palace;
arquitetura-russa-triumph-palace

Arquitetura russa: Triumph Palace

  • Estação de metrô de Avtovo;
arquitetura-russa-estacao-avtovo

Arquitetura russa: Estação de metrô de Avtovo

  • Estação de metrô de Taganskaya;
arquitetura-russa-estacao-taganskaya

Arquitetura russa: Estação de metrô Taganskaya

  • Universidade Estadual de Moscou.
arquitetura-russa-universidade-estadual-de-moscou

Arquitetura russa: Universidade Estadual de Moscou

5 – Quinto Período | Pós-Guerra

 

Depois do horror da Segunda Guerra Mundial, os arquitetos russos passaram a questionar os clichês clássicos e os princípios da arquitetura moderna.

Houve uma revisão dos modos de representação técnica com objetivo de padronizar a indústria da construção civil.

E também se investiu no uso de novos materiais, como os pré-moldados em concreto, para solucionar a crise na habitação.

Obras do período pós-guerra:

 

  • Os conjuntos residenciais de Nova Cheremuchki, em Moscou;
arquitetura-russa-conjunto-nova-cheremuchki

Arquitetura russa: conjunto residencial Nova Cheremuchki

  • O Pavilhão Soviético da Exposição Internacional de Bruxelas;
arquitetura-russa-pavilhao-sovietico

Arquitetura russa: Pavilhão Soviético

  • O arranha-céu do Comecon.
arquitetura-russa-comecon

Arquitetura russa: Comecon

O desconstrutivismo e a arquitetura russa

 

O construtivismo russo influenciou a arte moderna ocidental. O movimento do desconstrutivismo na arquitetura russa é, justamente, uma derivação dessa produção arquitetônica, que teve início no final dos anos oitenta.

Seus artistas se valeram das mesmas estratégias utilizadas nos anos vinte para criar alguns dos mais formidáveis projetos da era contemporânea.

O desconstrutivismo é confundido com a desmontagem ou a destruição de construções. Este conceito está totalmente incorreto.

Trata-se de um tipo de expressão sobre dilemas do mundo atual. Ela é feita através do “caos controlado”, da fragmentação das formas e da manipulação das superfícies, ou seja, uma não linearidade do desenho arquitetônico. É uma nova visão quanto às estruturas!

Princípios elementares são distorcidos ou deslocados. Com isso também os valores de harmonia, unidade e estabilidade!

Agora que você conheceu a maravilhosa história da arquitetura russa, que tal aprender agora a como conquistar mais clientes e divulgar seu trabalho?

Confira os cursos do Viva Decora PRO Academy, especificamente para arquitetos e designers com idéias inovadoras.

curso ciclo do encantamento