O Que é Ornamento? Veja Exemplos Encantadores na Arquitetura

Ornamento é o elemento decorativo de uma composição arquitetônica ou de design. Ele é usado em casas, prédios, móveis, cerâmicas, trabalhos em metal, itens de decoração, entre outros objetos. O objetivo é embelezar a obra ou item em questão.

A história do ornamento está ligada diretamente com a arquitetura. Desde o Antigo Egito até os edifícios esplêndidos do Art Nouveau, a ornamentação foi usada para valorizar as obras e encantar as pessoas.

Quer saber mais sobre esse elemento tão característico que foi condenado na arquitetura moderna? No post de hoje, vamos explicar o que é ornamento e mostrar alguns exemplos usados na arquitetura ao longo da história. Acompanhe!

O que é ornamento?

Ornamento é o elemento decorativo de uma composição arquitetônica ou de design. Ele é usado em casas, prédios, móveis, cerâmicas, trabalhos em metal, itens de decoração, entre outros objetos. O objetivo é embelezar a obra ou item em questão.

O que é ornamento? Ornamentos da arquitetura clássica (foto: Pinterest)

O que é ornamento? Ornamentos da arquitetura clássica (foto: Pinterest)

O ornamento também aparece em vários momentos da história da arquitetura como um símbolo de status de uma casa ou edifício.

Ele pode ser esculpido em pedra, madeira ou metais preciosos. O gesso e a argila também são materiais que servem para esse fim. Além disso, um ornamento também pode ser pintado ou impresso em uma superfície.

Para entendermos melhor o significado do ornamento na arquitetura, vamos a uma breve retrospectiva do seu uso ao longo da história

Ornamento na arquitetura: história

Arquitetura egípcia

Os primeiros ornamentos marcantes que podemos destacar estão presentes na arquitetura egípcia, que começou a surgir a mais de 2.500 anos a.C.

A ornamentação egípcia está muito ligada a símbolos. Por exemplo: os murais traziam imagens que representavam as tarefas habituais daquele povo e cada desenho ou hieróglifo podia ter um significado específico.

Ornamento: arquitetura egípcia - detalhe de um capitel egípcio (foto: Pinterest)

Ornamento: arquitetura egípcia – detalhe de um capitel egípcio (foto: Pinterest)

Vale destacar que, para muitos estudiosos, um ornamento tem função somente decorativa, ou seja: não é necessariamente o caso dos ornamentos egípcios, que também são carregados de significados e funcionam como uma espécie de linguagem.

Veja também: Kitsch – Conheça o Estilo de Decoração Que Divide Opiniões

Arquitetura grega

Os ornamentos na arquitetura grega estão presentes nas famosas colunas de ordem Dórica, Jônica e Coríntia. Cada uma foi criada em um local e época diferentes (dentro do mesmo período), o que traz uma variação de características nos ornamentos.

Ornamento: arquitetura grega - colunas dórica, jônica e coríntia (foto: Pinterest)

Ornamento: arquitetura grega – colunas dórica, jônica e coríntia (foto: Pinterest)

A ornamentação fica localizada no capitel, que é a parte superior de uma coluna. As partes mais altas dos templos também eram ornamentadas, algumas com folhas, flores de lótus e cabeças de animais.

A palmeta e a folha de acanto são exemplos de ornamento muito encontrados na arquitetura clássica que, posteriormente, também foram usados em outras épocas.

Ornamento: palmeta (foto: Wikipédia)

Ornamento: palmeta (foto: Wikipédia)

Ornamento: folha de acalanto (foto: Wikipédia)

Ornamento: folha de acalanto (foto: Wikipédia)

Arquitetura renascentista

Viajando no tempo, chegamos na era renascentista, que foi um dos períodos em que a ornamentação na arquitetura ganhou mais destaque.

Trata-se de uma época em que houve uma ruptura da Idade Média e início da Idade Moderna. A arquitetura renascentista busca trazer princípios como o ideal humanista, a relação de proporção, a unidade e a harmonia.

Ornamento: Arquitetura Renascentista - Fachada da Basílica de São Pedro (foto: Livio Andronico)

Ornamento: Arquitetura Renascentista – fachada da Basílica de São Pedro (foto: Livio Andronico)

Diante desse contexto, há um resgate de alguns ornamentos usados na arquitetura grega como as folhas e colunas. Também há o uso de abóbodas, cúpulas hemisféricas, frontões e arcadas.

E qual era o objetivo do ornamento? Trazer respeito e harmonia para os edifícios de uma forma harmônica e padronizada.

Arquitetura barroca

O ornamento no barroco ganhou ainda mais destaque. O estilo arquitetônico ficou marcado por uma decoração expansiva que trazia a ideia de grandiosidade, poder e riqueza.

Quando falamos das igrejas barrocas italianas, é comum observar nas fachadas colunas ornamentadas e a imagens de anjos, molduras ou brasões. Um exemplo é a Igreja de São Carlos nas Quatro Fontes, localizada em Roma

Ornamento no Barroco: Igreja de São Carlos nas Quatro Fontes (foto: ihodl.com)

Ornamento no Barroco: Igreja de São Carlos nas Quatro Fontes (foto: ihodl.com)

Na parte interior das igrejas, o uso do dourado está fortemente presente nos ornamentos da arquitetura barroca. Em relação aos materiais, eles eram feitos de madeira, mármore, gesso, entre outros.

O ornamento no barroco tinha como objetivo causar emoção e fazer com que a Igreja exercesse mais influência sobre os fiéis.

Art Nouveau

Não dá pra abordar o significado de ornamento sem citar o Art Nouveau. Trata-se de um movimento artístico que surgiu na Europa entre 1890 e 1910 e se manifestou principalmente nas artes plásticas, na escultura, no design e na arquitetura.

Os ornamentos em forma de folhagens, flores, animais e formas orgânicas no geral são algumas das principais características do estilo Art Nouveau.

Ornamento: Art Nouveau - Gresham Palace (foto: Pinterest)

Ornamento: Art Nouveau – Gresham Palace (foto: Pinterest)

Ornamento: Art Nouveau - Janela Casa Fenoglio Lafleur, na Itália (foto: Pinterest)

Ornamento: Art Nouveau – Janela Casa Fenoglio Lafleur, na Itália (foto: Pinterest)

O uso de novos materiais, como vidro e ferro, expandiu as possibilidades na hora de criar um ornamento de arquitetura. Diante desse contexto, eles passaram a ser usados no mobiliário e até mesmo em outros tipos de estruturas, como escadas, pontes, entre outros.

Ornamento: Art Nouveau - Balaústre da escada da Casa Solvay (foto: Pinterest)

Ornamento: Art Nouveau – Balaústre da escada da Casa Solvay (foto: Pinterest)

A arquitetura moderna e o fim da ornamentação

Arquitetura moderna foi um conjunto de movimentos e ideias que predominaram na arquitetura durante boa parte do século XX. Le Corbusier, um dos precursores do movimento modernista, criou os 5 pontos da arquitetura moderna. São eles:

  • Fachada livre
  • Janelas em fita
  • Pilotis
  • Terraço jardim
  • Planta livre

Entre suas principais características estão a priorização de formas simples e geométricas. Diante desse contexto, o uso de ornamento na arquitetura passou a ser considerado desnecessário e ultrapassado.

Na visão dos arquitetos modernistas, esse elemento clássico perdeu o sentido, pois exercia uma função apenas estética. Uma frase icônica de Mies van der Rohe resume bem o que eles priorizavam em suas obras: “Menos é mais”.

Ornamento: Vila Savoye, obra da arquitetura moderna criada por Le Corbusier (foto: Pinterest)

Ornamento: Vila Savoye, obra da arquitetura moderna criada por Le Corbusier (foto: Pinterest)

Hoje é possível observar ornamentos em casas antigas e obras de patrimônio histórico. Sem dúvida, esses elementos contribuíram para a beleza e evolução da arquitetura na história.

Qual a sua obra com ornamento favorita? Compartilhe com a gente nos comentários!